Tapa na cara

“Aí veio uma iraniana com sotaque italiano e deu tapa na cara da sociedade brasileira”. Beta Germano – Editora de Arte e Estilo da Revista Vogue

Quem achou que eu iria “deixar passar batida” a importante mostra da arquiteta ítalo-brasileira Lina Bo Bardi na feira de Design de Milão, em abril deste ano, se enganou. Responsável pelo projeto do edifício icônico na Avenida Paulista, o MASP e pelos inventivos suportes de vidro para expor as obras de arte, Lina Bo Bardi também é reconhecida pela belíssima Casa de Vidro – Instituto Bo Bardi, no setor nobre da capital paulista e pelo prédio do SESC Pompéia, onde caracteriza as formas modernistas e se deixa levar pela cultura brasileira no movimento, leveza e na geometria, que embora muito sutil ainda encontra berço na influência dos desenhos indígenas. Lina Bo Bardi executou uma série de mobiliários em parceria com o também ítalo-brasileiro Giancarlo Palanti, cuja parceria foi cuidadosamente estudada e exposta pela curadora iraniana Nina Yashars, no espaço da Nilafur Depot, uma sumidade em arte e design desde 1900, em Milão.

lina bo bardi

Via @betagermano

Uma grande homenagem a dois designers que ressaltam como a simplicidade e a criatividade são ferramentas ideias para um design autoral de qualidade. Igualmente simples e criativa foi a montagem de Yashars que enriqueceu o design da dupla e estabeleceu um elo íntimo com a cultura brasileira, calcada na geometria, transparência do vidro e na força das matérias-primas. Os tablados, ora padronizados por caixotes de madeira para elevar os móveis, ali foram substituídos por tijolos furados com acabamento em placas de vidro na superfície. Uma sacada sensível que até os Irmãos Campana sentiriam uma pitadinha de inveja. Digo “inveja branca”, porque a ideia foi muito feliz!

Mais feliz ainda foi o recente anúncio no instagram do MASP sobre o filme da vida da arquiteta, que será interpretado por ninguém mais que as talentosíssimas Fernandas. Fernanda Torres fará o papel de Lina Bo Bardi na primeira fase de sua vida e Fernanda Montenegro já interpretará sua velhice. “Olha que coisa mais linda, mais cheia de graça”. Fiquei emocionada com esta notícia não fosse mais um tapa na cara da sociedade brasileira, o filme será dirigido pelo artista e diretor inglês Isaac Julien. Ainda bem que as brasileiríssimas Fernandas fazem jus ao papel, à profissão e à brasilidade, senão seria tapa demais na nossa cara, né não, Beta Germano!?

linaVia @masp_oficial