PASSADOS / PAST

 

 

 

 

Realismos Particulares

A Potrich Galeria de Arte convida para primeira grande mostra de dois artistas que permeiam o realismo contemporâneo, cada qual com sua peculiaridade a começar pela distinta naturalidade, idade e formação. Artistas que apreciam a figuração em seus detalhes, refinamento técnico e escolheram a pintura sobre tela como suporte para dar alusão às suas pesquisas artísticas.

Private Realisms

The Potrich’s Art Gallery invites for the first big open of two different artists whose work is inside the contemporary realism, which one with their own peculiarity begging with their naturalness, age and graduate. Artists that enjoy details from the figurative, technician refinement and choose the painting on canvas for surface to give an allusion from their artistic research.                                                                                                     

 

Avi Neto (1958) – Goiânia – GO

Os livros, as visitas aos Museus no exterior e a experiência de viver em Toronto ampliou o olhar do arquiteto e urbanista goiano Avi Neto sobre a História da Arte. Descobrir o Grupo dos Sete (Group of Seven), como é conhecido um grupo de pintores canadenses do início do século XX, mudou de alguma forma o seu modo de observar a paisagem. Avi encontrou no Realismo Mágico ou Fantástico a liberdade de experimentar a fusão entre o realismo e o abstracionismo “sem ser totalmente absurdo”¹. Estudar os movimentos artísticos do Modernismo de artistas como Van Gogh, Picasso, Chagall, Kandinsky e Miró foram os vértices para se converter à este estilo de realismo. Com significativa relevância na literatura, aparições inquietantes do Realismo Mágico do século XX, como “Cem Anos de Solidão”, de Gabriel García Marquéz, ou as histórias fantásticas do russo Gógol, ou ainda o homem-barata do alemão Franz Kafka se tornaram clássicos e atemporais. A metamorfose da figuração do artista goiano quase beira um movimento, uma magia, uma realidade que quer ser orgânica e translúcida como a água. Temas familiares experimentam tons sóbrios de uma paleta de cores quentes e frias bem definidas. Ressalta em suas telas a constância da água, o fluxo de sua transformação e o movimento de seus personagens, principalmente femininos, dando evasão ao imaginário, ao fantástico e ao realismo.

1 -Citação do artista, Avi Neto.

Tarcísio Veloso (1991), Correntina – BA

“A vida é sonho”, poema do espanhol Calderón de La Barca (1635) foi inspiração para as pinturas do baiano, Tarcísio Veloso. Sua obra hiper-realista é acolhida por temas lúdicos e figuras inventadas, onde o sonho e a realidade se encontram expressados em minuciosos detalhes à óleo sobre tela. Artista autodidata, com formação em Direito, Veloso se engajou no universo da Arte e procurou em livros nomes de grandes Mestres da pintura como Leonardo Da Vinci, Botticelli, Vermeer, Ingres e Klimt. Influenciado pela cultura clássica europeia, suas referências ao Renascimento e Romantismo são percebidas pela representação de retratos humanos como tema principal na tela, adornados por flores, fardas, rufo, quepe e coração. Em contraponto às referências dos estilos da Antiguidade, o artista milita temas contemporâneos como a discussão de gêneros, a religiosidade e as minorias. A escolha do poeta espanhol do século XV resgata o estilo métrico repentista tão característico da cultura nordestina o que enobrece sua pesquisa, reafirma a natureza de sua origem regionalista e legitima os temas de suas obras. Em busca de realizar seu sonho como artista, Tarcísio encontra na Arte um modo de representar o realismo das expressões humanas, dos sentimentos, dos ideais humanistas e de um estado laico.

“É certo; então reprimamos

esta fera condição,

esta fúria, esta ambição,

pois pode ser que sonhemos;

e o faremos, pois estamos

em mundo tão singular

que o viver é só sonhar

e a vida ao fim nos imponha

que o homem que vive, sonha

o que é, até despertar.

Sonha o rei que é rei, e segue

com esse engano mandando,

resolvendo e governando.

E os aplausos que recebe,

Vazios, no vento escreve;

e em cinzas a sua sorte

a morte talha de um corte.

E há quem queira reinar

vendo que há de despertar

no negro sonho da morte

Sonha o rico sua riqueza

que trabalhos lhe oferece;

sonha o pobre que padece

sua miséria e pobreza;

sonha o que o triunfo preza,

sonha o que luta e pretende,

sonha o que agrava e ofende

e no mundo, em conclusão,

todos sonham o que são,

no entanto ninguém entende.

Eu sonho que estou aqui

de correntes carregado

e sonhei que em outro estado

mais lisonjeiro me vi.

Que é a vida? Um frenesi.

Que é a vida? Uma ilusão,

uma sombra, uma ficção;

o maior bem é tristonho,

porque toda a vida é sonho

e os sonhos, sonhos são”

Calderón de La Barca

Individuais Simultâneas

A historiadora e curadora de arte paulista, Tereza de Arruda² pontua um dos principais motivos do resgate à pintura realista nos últimos 50 anos e põe em pauta o que é realidade e qual a sua importância na representação artística: “Na História da Arte do século XX a pintura realista precisou se impor e se defender da ascensão da fotografia contemporânea”. Atualmente presenciamos um resgate e uma valorização do realismo contemporâneo revigorado pela acessibilidade de imagens, informações e informatização. Mundana, clássica ou coloquial a Arte sempre se mostrou provocativa, política e revolucionária, ainda que sendo produzida num ambiente mais globalizado, interativo e ‘pop‘.

A mostra “Realismos Particulares” é sobre a particularidade de cada artista, suas visões fantásticas dos sonhos e como criar um diálogo entre a representação artística contemporânea de suas obras e o espectador, mediante a tantas possibilidades e suportes tecnológicos. Qual a importância da pintura realista e quais questões ela abre para um debate sobre a produção pictórica na contemporaneidade?

A exposição conta com 10 pinturas acrílicas sobre tela do artista goiano, Avi Neto e 14 pinturas óleo sobre tela do artista baiano Tarcísio Veloso, em tamanhos variados.

 

2 – Historiadora de arte e curadora independente, vive desde 1989 entre São Paulo e Berlim onde estudou História da Arte, na Universidade Livre de Berlim.

 

Tatiana Potrich- 2019

 

Local: Potrich Galeria de Arte

Endereço: Rua 52, 689 Jardim Goiás

Abertura: 19 de Setembro às 20h

Exposição: 20 de setembro à 20 de Outubro de 2019

Horário de visitação: Segunda à Sexta das 10h às 18h

Sábados com hora marcada

Contatos: 62 98177 01 76 – 98177 0178

Mídias: www.potrichgaleria.com – @potrichgaleria – @garimpotrich

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Realismos Particulares

 

 

A Potrich Galeria de Arte convida para primeira grande mostra de dois artistas que permeiam o realismo contemporâneo, cada qual com sua peculiaridade a começar pela distinta naturalidade, idade e formação. Artistas que apreciam a figuração em seus detalhes, refinamento técnico e escolheram a pintura sobre tela como suporte para dar alusão às suas pesquisas artísticas.

 

 

 

 

Private Realisms

 

 

The Potrich’s Art Gallery invites for the first big open of two different artists whose work is inside the contemporary realism, which one with their own peculiarity begging with their naturalness, age and graduate. Artists that enjoy details from the figurative, technician refinement and choose the painting on canvas for surface to give an allusion from their artistic research.                                                                                                     

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avi Neto (1958) – Goiânia – GO

 

 

 

Os livros, as visitas aos Museus no exterior e a experiência de viver em Toronto ampliou o olhar do arquiteto e urbanista goiano Avi Neto sobre a História da Arte. Descobrir o Grupo dos Sete (Group of Seven), como é conhecido um grupo de pintores canadenses do início do século XX, mudou de alguma forma o seu modo de observar a paisagem. Avi encontrou no Realismo Mágico ou Fantástico a liberdade de experimentar a fusão entre o realismo e o abstracionismo “sem ser totalmente absurdo”¹. Estudar os movimentos artísticos do Modernismo de artistas como Van Gogh, Picasso, Chagall, Kandinsky e Miró foram os vértices para se converter à este estilo de realismo. Com significativa relevância na literatura, aparições inquietantes do Realismo Mágico do século XX, como “Cem Anos de Solidão”, de Gabriel García Marquéz, ou as histórias fantásticas do russo Gógol, ou ainda o homem-barata do alemão Franz Kafka se tornaram clássicos e atemporais. A metamorfose da figuração do artista goiano quase beira um movimento, uma magia, uma realidade que quer ser orgânica e translúcida como a água. Temas familiares experimentam tons sóbrios de uma paleta de cores quentes e frias bem definidas. Ressalta em suas telas a constância da água, o fluxo de sua transformação e o movimento de seus personagens, principalmente femininos, dando evasão ao imaginário, ao fantástico e ao realismo.

 

 

1 -Citação do artista, Avi Neto.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tarcísio Veloso (1991), Correntina – BA

 

“A vida é sonho”, poema do espanhol Calderón de La Barca (1635) foi inspiração para as pinturas do baiano, Tarcísio Veloso. Sua obra hiper-realista é acolhida por temas lúdicos e figuras inventadas, onde o sonho e a realidade se encontram expressados em minuciosos detalhes à óleo sobre tela. Artista autodidata, com formação em Direito, Veloso se engajou no universo da Arte e procurou em livros nomes de grandes Mestres da pintura como Leonardo Da Vinci, Botticelli, Vermeer, Ingres e Klimt. Influenciado pela cultura clássica europeia, suas referências ao Renascimento e Romantismo são percebidas pela representação de retratos humanos como tema principal na tela, adornados por flores, fardas, rufo, quepe e coração. Em contraponto às referências dos estilos da Antiguidade, o artista milita temas contemporâneos como a discussão de gêneros, a religiosidade e as minorias. A escolha do poeta espanhol do século XV resgata o estilo métrico repentista tão característico da cultura nordestina o que enobrece sua pesquisa, reafirma a natureza de sua origem regionalista e legitima os temas de suas obras. Em busca de realizar seu sonho como artista, Tarcísio encontra na Arte um modo de representar o realismo das expressões humanas, dos sentimentos, dos ideais humanistas e de um estado laico.

 

 

 

 

“É certo; então reprimamos

esta fera condição,

esta fúria, esta ambição,

pois pode ser que sonhemos;

e o faremos, pois estamos

em mundo tão singular

que o viver é só sonhar

e a vida ao fim nos imponha

que o homem que vive, sonha

o que é, até despertar.

Sonha o rei que é rei, e segue

com esse engano mandando,

resolvendo e governando.

E os aplausos que recebe,

Vazios, no vento escreve;

e em cinzas a sua sorte

a morte talha de um corte.

E há quem queira reinar

vendo que há de despertar

no negro sonho da morte

 

 

 

Sonha o rico sua riqueza

que trabalhos lhe oferece;

sonha o pobre que padece

sua miséria e pobreza;

sonha o que o triunfo preza,

sonha o que luta e pretende,

sonha o que agrava e ofende

e no mundo, em conclusão,

todos sonham o que são,

no entanto ninguém entende.

Eu sonho que estou aqui

de correntes carregado

e sonhei que em outro estado

mais lisonjeiro me vi.

Que é a vida? Um frenesi.

Que é a vida? Uma ilusão,

uma sombra, uma ficção;

o maior bem é tristonho,

porque toda a vida é sonho

e os sonhos, sonhos são”.

 

Calderón de La Barca

 

Individuais Simultâneas

 

 

 

A historiadora e curadora de arte paulista, Tereza de Arruda² pontua um dos principais motivos do resgate à pintura realista nos últimos 50 anos e põe em pauta o que é realidade e qual a sua importância na representação artística: “Na História da Arte do século XX a pintura realista precisou se impor e se defender da ascensão da fotografia contemporânea”. Atualmente presenciamos um resgate e uma valorização do realismo contemporâneo revigorado pela acessibilidade de imagens, informações e informatização. Mundana, clássica ou coloquial a Arte sempre se mostrou provocativa, política e revolucionária, ainda que sendo produzida num ambiente mais globalizado, interativo e ‘pop‘.

A mostra “Realismos Particulares” é sobre a particularidade de cada artista, suas visões fantásticas dos sonhos e como criar um diálogo entre a representação artística contemporânea de suas obras e o espectador, mediante a tantas possibilidades e suportes tecnológicos. Qual a importância da pintura realista e quais questões ela abre para um debate sobre a produção pictórica na contemporaneidade?

A exposição conta com 10 pinturas acrílicas sobre tela do artista goiano, Avi Neto e 14 pinturas óleo sobre tela do artista baiano Tarcísio Veloso, em tamanhos variados.

 

2 – Historiadora de arte e curadora independente, vive desde 1989 entre São Paulo e Berlim onde estudou História da Arte, na Universidade Livre de Berlim.

 

Tatiana Potrich- 2019

 

Local: Potrich Galeria de Arte

Endereço: Rua 52, 689 Jardim Goiás

Abertura: 19 de Setembro às 20h

Exposição: 20 de setembro à 20 de Outubro de 2019

Horário de visitação: Segunda à Sexta das 10h às 18h

Sábados com hora marcada

Contatos: 62 98177 01 76 – 98177 0178

Mídias: www.potrichgaleria.com – @potrichgaleria – @garimpotrich