R.B.Marx

O MUBE – Museu Brasileiro de Escultura, em São Paulo prorrogou a mostra “Burle Marx: Arte, Paisagem e Botânica”, que teve início em dezembro do ano passado e iria até hoje, mas para nossa oportunidade se estende até dia 26 de Maio. A curadoria selecionou 70 obras dos mais variados suportes identificando a pluralidade deste artista paulista (quase carioca) que estudou afinco as plantas brasileiras e fez a descoberta de mais de 30 espécies diferentes.

“Trazemos ao público singularidades pouco exploradas de um artista de múltiplas capacidades. Sem dúvida nenhuma o paisagismo foi sua grande contribuição para o mundo, mas ele foi mais que um paisagista”, declara o curador da mostra, Cauê Alves.

“Paisagista, arquiteto, pintor, gravador, litógrafo, escultor, tapeceiro, ceramista, designer de joias e decorador” (ufa!) a Enciclopédia Itaú Cultural enumera as virtuosas funções que Roberto Burle Marx (1909-1994) exerceu durante toda sua produtiva vida. Manteve contato com grandes nomes da classe intelectual brasileira enriquecendo seu trabalho e o do outro numa simbiose artística . Só para citar alguns: os arquitetos Lucio Costa e Oscar Niemeyer, os artistas, Di Cavalcanti e Candido Portinari e o poeta, Mario de Andrade. Com formação em Arte e Arquitetura, se engajou através de cursos, palestras, mostras de arte, parques públicos, florestas, museus e um apanhado de informações ao redor do mundo aderindo sempre à preservação do meio ambiente e um discurso ecológico coerente e global. A vasta produção do artista é consequência de uma intensa capacidade de criação, afinal R.B.Marx começou cedo, iniciou sua coleção de plantas aos 7 anos de idade.

O colecionador de arte e competente médico goiano encontrou no circuito de Arte um universo de deleite e investimento, adquirindo uma obra muito peculiar do artista. O Panneux (painel em tecido) de 385 x 137 cm, assinado no verso é um trabalho diferenciado por fazer parte do projeto dos jardins de sua casa e, tais dimensões em coleções particulares são raras, pois grande parte deste acervo estão em poder de museus ou órgãos governamentais, como a Câmara dos Deputados e o Itamarati, em Brasília.

No Rio de Janeiro, o Sítio Roberto Burle Marx (S.R.B.M), doado em 1985 para o Governo, foi tombado como Patrimônio Cultural da Humanidade, pelo IPHAN. São 400 mil m² de área que aspiram arte, paisagismo e botânica num encantador recanto de 3.500 espécies. Vale conhecer a multiplicidade da obra deste artista, aos paulistas a oportunidade prorrogada, no MUBE, aos cariocas, no patrimônio S.R.B.M e aos goianos, o Panneux, em nossa Galeria! Agente uma visita!

54222378_266839977566154_8145813666260844544_nRoberto Burle Marx (1909-1994), Panneux, 385 x 137 cm