Queen

“Homens aparecerão em sua vida e tentarão te ensinar algumas coisas. Isso não os tornará mais inteligentes. Você os deixarão passar, seguirá em frente e fará somente o que quiser.

Um dia você ficará completamente sozinha e terá de encarar como cuidar de si mesma”

O recado da mãe para a protagonista na série Queen’s Gambit é um presságio sobre a fabulosa trajetória de sua filha como enxadrista. Inspirado na vida de Walter Tevis, jogador de xadrez e escritor norte-americano, a série traduzida no Brasil como “Gambito da Rainha” é uma jogada de xadrez que acontece no lance inicial. Um dos jogadores, conscientemente, arrisca um peão para em seguida conseguir vantagem em relação ao adversário. A palavra “gambito” sozinha, significa “ação destinada a enganar”. A série tem muitos predicados, trilha sonora das décadas de 50 e 60, fotografia impecável, figurino de bom gosto e a atuação memorável da atriz Anya Taylor-Joy. O mais lindo é a correlação do ofício da personagem com os acontecimentos de sua vida. Inevitável não perceber que todos seus lances de xadrez, a cada partida, com jogadores diferentes, têm a ver com suas emoções, sua indomável personalidade. O cuidado do roteiro ao enfatizar a fragilidade da poderosa enxadrista que conflita entre a sina de vencer, evidencia também sua vantagem em ser mulher num esporte dominado por homens. Mas não é só isso, além de bela ela percebe desde cedo o quanto estar bem vestida lhe impõe respeito e status social.

Cada jogo da série foi inspirado numa famosa partida de xadrez. Neste período, quando a Guerra Fria tensionava os ânimos entre norte-americanos e russos a popularidade do jogo era unanime com publicações de revistas especializadas, fotos dos campeões mundiais na capa e incentivo a campeonatos com premiações de quantias consideráveis. É notório que o xadrez fosse apenas um pano de fundo para explicitar a verdadeira guerra ideológica que se instaurava. O maior desafio para a jovem americana era enfrentar o veterano russo, campeão mundial convicto, no torneio internacional de Moscou. Em analogia, a figura do experiente jogador se torna uma fixação da garota prodígio em vencer a perda da presença do pai e enfim, acreditar em si mesma para enfrentar seus medos, seus fantasmas, suas perdas. A ideia do jogo entre estes dois personagens também pontua a personalidade de cada nação. Ele, um homem de meia idade russo disciplinado, ranzinza, educado e frio ela uma moça rebelde norte-americana, faminta pelos prazeres da vida e enfraquecida pelos vícios da infância. Uma série para aprender muito mais do que significa o jogo de xadrez, mas sobre questões atuais como a ascensão feminina ao poder, as relações afetivas, a importância da cooperação e o verdadeiro sentido de liberdade. A série nos ensina que o Gambito da Rainha ou Gambito da Dama é a estratégia mais antiga e simples que até hoje é praticada. A vida é um jogo de xadrez: ataca, recua, calcula, enfrenta, captura, põe em xeque, recalcula. Um jogo democrático, onde um simples peão, se for passo a passo, consegue se transformar numa Dama! Eu recomendo a série e agradeço ao @luizclaudiofaleiro a indicação! Ilustra o texto desenho da artista Carol Nolasco, selecionada ao nosso Edital 2020!