PASSADOS / PAST

A mostra Human and Machine é uma retrospectiva do artista Pitágoras Lopes Gonçalves de painéis, pinturas sobre papel, desenhos, paletes e toda sorte de suporte que o artista se encarrega de produzir com o foco no futuro e na realidade nua e crua do ser má…quina.  Da pedra polida ao robô sapiens Pitágoras entende e transforma em arte seu olhar crítico e sapiente. O artista preparou um convite – lambe para Retrospectiva personificando seus atos transgressores numa volta aos antigos hábitos artísticos e a quebra de paradigmas do convite formal ao público, atualmente feito através de flyers virtuais para as mídias sociais.

Por grande mérito foi convidado, em 2015 para participar de uma das mostras mais significativas dos últimos dez anos, o 34° Panorama da Arte Brasileira: “Da pedra Da terra Daqui”, com pesquisa antropológica e curadoria da imortal Aracy Amaral, ao lado de nomes como Cildo Meireles, Miguel do Rio Branco, Berna Reala, Cao Guimarães e Erika Verzutti, o artista goiano se encarregou do suporte pictórico. A coletiva de arte no MAM-SP foi uma encomenda de gigantescos painéis que expressassem a contemporaneidade nos centros urbanos sobrepostas às nossas origens primitivas e uma projeção, em seu ponto de vista, para os próximos anos.

Novidade não é que a ficção científica já é uma realidade no nosso cotidiano. Quem imaginaria que em tão pouco tempo seríamos capazes de conviver com tanta tecnologia de uma vez. Um exemplo disso é o robô humanóide, chamado Sophia, que foi criado por uma empresa deHong Kong, em 2015. No ano passado, Sophia recebeu o título de cidadã da Arábia Saudita gerando certa polêmica e desconforto nas redes sociais. Sua capacidade de raciocínio e de discernimento é assustadora e nessa mesma proporção também o são as premonições registradas nas obras do artista Pitágoras. Em meio à animais, insetos e toda forma e cores que permeia a sua trajetória artística, Pitágoras absorve as condições insalubres da convivência social e as transfere em formas robóticas e seres “trans” num palpite futurista e desconhecido.Quanto mais perto nos aproximarmos da ficção científica, mais assustador nos parecerá a possibilidade de sermos controlados por seres mecanizados. Um exemplo próximo é o filme Ex-Machina: Inteligência Artificial, do cineasta inglês Alex Garland, de 2016. O filme narra o suspense sobre a andróide Ava, criada por um mega cientista que submete estagiários em informática, ao Teste de Turin.

Human and Machine – Retrospective confirma que Sophia e Ava já fazem parte da obra de Pitágoras há tempos. O artista extrapola a realidade kitsch e satiriza suas figuras num embate ao erotismo, às fantasias sexuais, ao zoomorfismo, aos dogmas e símbolos que definem interpretações universais, como o ícone bíblico da maçã! Ícone de uma das maiores empresas de informática do mundo, a maçã é o símbolo do conhecimento, da sabedoria, o fruto proibido, a fruta envenenada pela bruxa, a logomarca dos motéis. O artista nos entretém e nos elucida (até mais que a sétima arte). Assustadoramente ou não, ele apenas nos conduz à verdade! Pitágoras tem uma perspectiva única. Sua personalidade ácida e temperamento marginal são a fórmula química perfeita para seu constante inconformismo. A pintura é seu porto seguro. A investigação social é seu objeto de estudo. Imagens de braços robóticos que emergem dos esgotos da cidade, dentre libélulas coloridas, ou moscas mutantes, ratos, lhamas, cangurus, coelhos ou fantasias sexuais despertadas.”Eu amo tudo que me assusta” e “eu mato tudo que amo” são jargões que o artista leva como slogan e ideais. Não há remorso em suas obras, assim como também não o há nos robôs.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                           TATIANA POTRICH

SERVIÇO

Human and Machine – Retrospective

Local: Potrich Galeria de Arte

Abertura: 14 de Junho das 17h às 23h

Exposição: 15 de Junho à 14 de Julho de 2018

De segunda à Sexta das 10h às 18h. Aos sábados das 10h às 14h ou com hora marcada

Endereço: Rua 52, n.689 Jardim Goiás

Contatos: 3945 0450 – 98177 0178 – 98177 0176