Filho de Peixe

No extenso currículo do artista paulista, Rubens Vaz Ianelli (1953), dentre tantas premiações, salões, mostras individuais e coletivas uma referência de Otávio Tavares Araújo, de 2003, no catálogo “Quantas Cidades”, me chamou atenção. O título “Filho de peixe (e sobrinho),… peixinho é” sugere a origem do artista, que é filho de Arcanjo Ianelli e sobrinho de Tómaz Ianelli, ambos renomados artistas no circuito nacional e internacional. A árdua missão de continuidade do dom hereditário ficou a cargo de Rubens, que sempre se engajou no conhecimento das culturas indígenas e africana, na natureza brasileira e principalmente, na técnica arrojada de suas pinturas, em traços geométricos que transitam entre o imaginário de desenhos tribais, das paisagens urbanas e dos fenômenos naturais.

Rubens Ianelli tem uma curiosa trajetória e ao mesmo tempo uma modéstia refinada de quem nasceu para ser um peixinho talentoso. Nos anos 80 inicia os estudos na Medicina e aprofunda na área de saúde pública aceitando o convite do Ministério da Saúde para ajudar na implantação dos distritos sanitários indígenas no Acre, onde permaneceu no cargo até o ano 2000. Daí se dedica à pesquisa de etnias e na valorização do nosso patrimônio cultural e nacional.

Rubens adota uma multiplicidade de suportes para o seu trabalho como na pintura à óleo, no carvão, no desenho à caneta, na escultura de bronze, nos objetos de vergalhão de ferro e, o mais recente deles, a cerâmica. Ele acaba de terminar uma minuciosa pintura num grande painel de azulejos que foi adquirido para o hall do Seasons Four Hotel, em São Paulo.

A geometria presente, a paleta de cores, que cuidadosamente clareia e escurece com naturalidade, projeta a pintura com uma inacreditável perspectiva, mesmo não fazendo o uso objetivo do desenho técnico ou do jogo entre luz e sombra, mas sim uma sutil sensação de ilusão d’ótica entre suas formas e tons. A pesquisa de Rubens transforma-se orgânica quando estabelece um diálogo da figuração com a geometria na liberdade de traços planejados dando uma profundidade ao resultado final da obra.

Rubens faz jus ao sobrenome que leva, encarando seu destino de ser literalmente, um Cientista da Arte revelando a intensidade das cores que ele identifica na natureza e na interferência do homem nela, assim como também fizeram seus ‘antepassados’.

As obras de Rubens Ianelli fazem parte do nosso acervo desde 2012, visite nossa: GALERIA DE FOTOS

Rubens IanelliPainel de azulejo no Seasons Four Hotel, em São Paulo