PASSADOS / PAST

FEIXE: um encontro inédito de cinco talentos das artes plásticas de São Paulo

 

A Potrich Galeria de Arte recebe coletiva com Ayao Okamoto, Décio Soncini, Edilson Ferri, Francisco Gonzalez e Jacques Jesion

 

Segundo o Dicionário Online de Português, um dos significados para Feixe é “Reunião de objetos que estão ligados por algo em comum”. No Feixe aqui apresentado, o que liga Ayao Okamoto, Décio Soncini, Edilson Ferri, Francisco Gonzalez e Jacques Jesion, todos residentes em São Paulo, é o trabalho artístico que cada um desenvolve, e que decidiram reunir na coletiva denominada FEIXE: o encontro dos talentos individuais em um espaço comum, por meio do qual percursos, forças, diversidades, técnicas não passarão desapercebidos pelos olhares do público.

 

Para Agda Carvalho, da ABCA – Associação Brasileira de Críticos de Arte, que assina o texto de apresentação da exposição, “O que se tem em comum nesse FEIXE é a vontade de adentrar às histórias que habitam as entranhas de cada um dos artistas”, cujos breves perfis são retratados a seguir, a partir da atenta visão da crítica.

 

Ayao Okamoto elabora uma imensidão subjetiva, um lugar, um canto ou uma situação vivida; uma multiplicidade de fragmentos que exalam da memória. As soluções imagéticas misturam seres naturais e a urbanidade, que são enriquecidas com detalhes da sua raíz oriental. E assim emerge a harmonia do seu percurso.

 

Décio Soncini arquiva imagens como um observador atento, que registra e apreende com sua busca poética o confronto entre a natureza e os indícios cotidianos. A pincelada percorre o espaço com voracidade e define com habilidade o instante.   Um ponto de equilíbrio demarca e harmoniza a diversidade de fatos e acontecimentos.

 

Edilson Ferri trata do desejo do impossível com a reorganização de histórias coletadas no cotidiano vivenciado e na investigação documental. Um ruído, um instante, um detalhe, são capturados pelos sentidos, e assim, uma infinidade de partículas são organizadas; desvela lugares e fatos no entrecruzamento de subjetividades.

 

Francisco Gonzalez expõe com requinte a configuração de uma cena improvável, pois a representação esboça a convivência das várias situações que circundam o trajeto do artista. A estranheza é estimulada pela organização pictórica do artista; uma atitude reflexiva do momento. E se dá o foco, um silêncio, um vazio. Neste caos pessoal o artista configura os seus mundos com solidez.

 

Jacques Jesion procura um sentido ampliado da paisagem; observa o que está longínquo.  É neste lugar que se encontram as verdades, os sonhos e vontades de uma busca, pois aponta um rumo, um lugar desejado que vislumbra a imaginação; quase um devaneio poético.  É a última escalada de um caminho de conquistas. É o que está além do que se pode alcançar, mas está lá.

 

FEIXE é um convite para instigar olhares a novas descobertas.

 

Serviço:

Potrich Galeria de Arte

Abertura: 22 de outubro de 2016, das 10 às 13 horas

Visitação: 22 de outubro a 22 de novembro de 2016, de segunda a sexta, das 10 às 17 horas, e, aos sábados das 10 às 13 horas

Endereço: Rua 52, 689 – Jardim Goias – Goiânia – GO

 

Mais informações para a imprensa:

Tatiana Potrich

Tel.: (62) 3945-0451

Potrich.tatiana@gmail.com