PASSADOS / PAST

A EXPOSIÇÃO FOTOGRÁFICA

Contemplada pela Lei Goyazes de incentivo à cultura do Estado de Goiás, a exposição Fato Popular Olhar Incomum será realizada entre os dias 12 de dezembro de 2014 e 14 de fevereiro de 2015, na Potrich Galeria de Arte, trazendo uma seleção de dez trabalhos produzidos por três fotojornalistas do jornal O Popular. São fotografias de Renato Conde, Weimer Carvalho e Wildes Barbosa que, sem perder de vista a informação como conteúdo principal da imagem, buscam abordar os seus temas de maneira crítica e, ao mesmo tempo, criativa, utilizando-se de estratégias de representação que se distanciam do modelo clássico documental, objetivo e direto, às vezes apelativo e sensacionalista.

Sob a curadoria do pesquisador, professor e fotógrafo Rafael Castanheira, a mostra reúne imagens, isoladas ou em séries, realizadas a partir de abordagens subjetivas a fim de produzir um outro tipo de reportagem, deslocando-a do seu tradicional caráter didático-moralista para aquele da criação artística. Neste novo modelo, acredita-se que o fotógrafo deixa de ser uma mera testemunha passiva dos fatos para se tornar ele mesmo um intérprete dos acontecimentos e o espectador, por sua vez, sai da condição de consumidor de mensagens prontas para a de sujeito crítico em busca dos possíveis sentidos de uma imagem.

“Num momento de saturação visual em que não apenas o excesso, mas principalmente a homogeneidade das imagens diariamente produzidas e exibidas nos meios de comunicação reforçam antigos estereótipos e contribuem para distanciar, cada vez mais, o espectador da realidade, é preciso que o fotógrafo evite este espetáculo previsível que se tornou o fotojornalismo e busque novas visualidades que sensibilizem e provoquem reflexão no espectador”, observa Rafael Castanheira, que selecionou os trabalhos após um longo processo de pesquisa e análise das fotografias publicadas no jornal e presentes nos portfólios pessoais destes fotógrafos.

Depois que críticos e teóricos passaram, sobretudo nas últimas décadas, a questionar de forma sistemática a noção de fotografia como “espelho do real”, parece não ser mais possível continuar insistindo no velho discurso do realismo fotográfico e nas formas de representação que ainda se baseiam na crença ingênua de uma suposta linguagem “objetiva” e “direta” deste tipo de imagem. Além disso, com a popularização da fotografia digital e dos programas de manipulação de imagens como, por exemplo, o photoshop, o grande público percebeu que a fotografia não é uma prova do real, uma vez que ela pode ser manipulada, inventada, sendo sempre e inevitavelmente uma construção do visível a partir das ideologias e subjetividades do seu autor, o fotógrafo, que desenvolve seus trabalhos com base em sua origem, seu meio, sua formação, suas referências visuais, bem como nas tecnologias e nas práticas culturais do seu tempo.

Diante deste contexto, a exposição Fato Popular Olhar Incomum tem um duplo objetivo. Primeiramente, busca-se apresentar um conjunto de fotografias que abordam temas relevantes da realidade do Estado de Goiás (e de todo o país) como o consumo exacerbado e o descarte inadequado do lixo, a violência e a falta de mobilidade urbana, os problemas na saúde pública, o vandalismo com o patrimônio público, entre outros. Além disso, esta mostra visa, principalmente, refletir sobre como a fotografia jornalística vem sendo produzida e divulgada em uma época marcada pela desconfiança nas imagens. Como pensar o fotojornalismo em um mundo de espectadores cada vez mais familiarizados com os processos criativos de seus autores e, portanto, menos ingênuos acerca da construção e manipulação da realidade às quais a fotografia, em muitos casos, serviu como útil ferramenta?

Ao evitar a produção de registros que sirvam apenas como meras ilustrações dos textos escritos, os fotojornalistas selecionados para esta exposição apresentam os fatos de relevância social em linguagem subjetiva e metafórica, explorando novas questões estéticas e conceituais por meio de imagens desfocadas, entrecortadas ou em silhueta e assumindo abertamente a construção de realidades através da montagem de cenas e da direção e envolvimento com os personagens retratados.

Assim, suas imagens, ressalta o curador, “não apenas atraem pela inteligência do olhar, pelo aguçado senso poético na composição e pela beleza plástica, como também demandam a interpretação pessoal do espectador, que é instigado a buscar os significados a partir de seus conhecimentos, suas concepções ideológicas e sua própria bagagem cultural, reafirmando a natureza polissêmica da fotografia e redefinindo seu papel de memória no fotojornalismo contemporâneo”.

Nesse sentido, a exposição justifica-se por ser uma oportunidade de unir as artes visuais com o fotojornalismo, aproximando do público goiano as especificidades em comum destes dois campos, outrora considerados distintos – e até antagônicos. Justifica-se ainda por expor fotografias de rico conteúdo documental e histórico que abordam diversas questões socioculturais do Estado de Goiás. Em suma, esta exposição visa não apenas informar e conscientizar seus visitantes acerca das novas potencialidades do atual fotojornalismo goiano no campo da comunicação e das artes, como também abordar fatos de relevância social da região de forma crítica e criativa.


Ficha técnica:

Fotografias: Renato Conde, Weimer Carvalho e Wildes Barbosa

Curadoria e Produção: Rafael Castanheira

Assessoria de imprensa: Claudinha Fernandes Produções

Projeto gráfico: ZebraBold

Montagem da exposição: Cleandro Jorge

Agente cultural: Bempensado

Currículos

Renato Conde é repórter-fotográfico desde 2007. Começou sua carreira como repórter fotográfico no jornal Diário da Manhã e atualmente trabalha no jornal O Popular, em Goiânia. Possui vários prêmios como: 1º lugar no Prêmio Detran de Jornalismo em 2011; 1º lugar no Prêmio Agesep de Jornalismo(2012); 2º lugar no Prêmio FAEG/SENAR (2010). Nesse pouco tempo de profissão, tem trabalhos executados para jornais e agências de notícias nacionais e internacionais.

 

Weimer Carvalho é fotojornalista e editor de fotografia do jornal O Popular. Nasceu em Jataí (GO), em 1974, e formou-se em Geografia pela Universidade Federal de Goiás, em 1997. Coleciona diversos prêmios, como: Internacional AGFAnet Photo Award , 2005; finalista Prêmio Ayrton Senna de Jornalismo, em 2006; menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog , 2010; finalista do Prêmio Esso de Fotojornalismo (2012); e premiado pela Revista Photo no Le Plus Grand Concours Photo Du Monde, categoria “paisagem” (2012).

Wildes Barbosa da Silva nasceu em Formosa, Goiás, em 1979.Começou sua carreira de repórter fotográfico no Jornal  Diário da Manhã em, 1997. Trabalha no jornal O Popular desde 2006. Conquistou vários prêmios regionais e nacionais, entre eles o 1º lugar no Prêmio Fieg (2010 e 2011); Prêmio Fecomercio (2010, 2011 e 2012); 3º lugar no Prêmio FAEG (2012) e menção honrosa  no Prêmio New Holland (2011).

 

Rafael Castanheira nasceu em Goiânia, Goiás, em 1977. Fotógrafo e pesquisador, é doutorando em Comunicação pela Universidade de Brasília (UnB) e mestre em Cultura Visual pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Atuou como fotojornalista e assessor de comunicação no Rio de Janeiro, Brasília, Amazonas e Mato Grosso. Desde 2007 trabalha como professor de fotografia, tendo lecionado na UFG, PUC (GO) e no Instituto de Ensino Superior de Brasília (IESB). Participa de coleções do Museu de Arte Contemporânea de Goiás e do Centro Cultural da UFG.

SERVIÇO:

Abertura: 11 de dezembro, às 20h.

Local: Potrich Galeria de Arte – Rua 52, 689 Jardim Goiás – Goiânia, GO.

Visitação: 12 dezembro a 14 de fevereiro de 2015. Terça a Sexta, das 10 às 13h, Sábado, 10 às 14h, ou com hora marcada.
Comunicação & Imprensa: Claudinha Fernandes Produções (62 – 9147-0563 | 9388-9912 | 3922-6698)