Estamos de olho

O artista Francisco Galeno residente há anos no município de Brazlândia, nasceu na Parnaíba, Piauí. A sua infância teve o velho enredo da criança pobre que inventava seus próprios brinquedos e solucionava com criatividade experimentos e saberes populares com muito pouco ou quase nada. Em suas obras estão presentes os elementos que rememoram suas origens e seu berço criativo como a referência quase constante da pipa, ou seu formato geométrico, a lamparina de zinco que além do objeto é multiplicada na pintura, como também o são os carrinhos feitos com lata de sardinha e incrementados pelos carretéis de linha referencia maior ao ofício de costureira de sua mãe e mais símbolos dos costumes e tradições regionalistas do imaginário popular, indígena e mestiço tais como escudos geométricos, lanças, flechas, ganchos, anjos, santos e carrancas. Tudo é desenho, pintura e objeto para este fabuloso artista que desenvolveu seu talento quando se mudou para Brasília em meados da década de 70. Galeno se destacou em mostras nacionais coletivas e individuais e fixou seu atelier nas proximidades da capital do Brasil onde desenvolveu projetos e criou subsídios para a promoção e divulgação de seu trabalho.

Executou a intervenção da Igrejinha de Oscar Niemeyer, em 2009, onde honrosamente foi convidado para substituir a pintura do altar, pelo então artista Alfredo Volpi.  O afresco de Volpi que foi praticamente destruído para poder ser restaurado, foi magistralmente substituído por uma Nossa Senhora de Fátima sem rosto, ela tem uma pipa no lugar das mãos e o rosário é um carretel de flores. A coroa também é decorada com flores e nas laterais, predomina a cor azul bem forte. Pipas e flores foram criadas para representar a alegria das crianças que teriam avistado a Virgem Maria, em Fátima, Portugal.

Nos anos 90 a prefeitura de Brazlândia recorreu aos desenhos de um dos seus moradores mais ilustres, o artista Francisco Galeno, para realizar mosaicos em pedra portuguesa no calçamento do entorno do lago, no centro da cidade (www.moisaicosdobrasil.tripod.com\id93.html). Galeno também foi convidado pelo time de futebol do Município para realizar o desenho da camiseta oficial do clube.

Com um currículo invejável este nordestino acolheu sua cultura como profissão e é reconhecido internacionalmente como “curumim arteiro”. Um dos mais expressivos expoentes da Geração 80, Galeno diversificou a pintura com uma técnica peculiar e temas que abrangem a brasilidade e o nacionalismo. Infelizmente sua obra não está em alguns acervos de instituições goianas, como o Centro Cultural UFG, que abriu recentemente uma pequena mostra da Geração 80. Há de se pontuar as falhas na cultura brasileira assim como também é urgente a atenção às instituições que devem ser guardiãs da memória e do patrimônio nacional. Afinal como um artista tão próximo da capital de Goiás e da importância artística de Francisco Galeno não tem uma obra integrada ao acervo goiano e por quê? Estas e outras lacunas na História da Arte Brasileira são questões a serem levantadas principalmente quanto aos investimentos e administração das Instituições Brasileiras de Cultura. Estamos de olho!

Galeno3

galeno 1

galeno

galeno 2

Francisco Galeno, objeto-escada (em detalhes), dimensão 250 x 23 x 15 cm, acrílica s/ madeira, carretéis, lamparina, objetos de madeira, 2015.