BLOG

dança por quà ?

notícias de arte – MAR/2010

+ fotografias

Fotografias de uma querida amiga…
Clique nos links para ampliar: 

1. ……, 2. îîîîîîîAîî, 3. Alien, 4. Cerrado, 5. flickr.com/photos/49689920@N00/265144052/, 6. Chapada…a arca!, 7. O!O, 8. Sol, 9. ! In Natura !, 10. !O Entardecer Ontem!(16/06/06), 11. e contemp(L)ando…, 12. Trio!

fotografia – BSB

o enigma do tubarão

Ontem à noite, após assistir ao Programa MonsterQuest, do The History Channel sobre os tubarões da península do México que se deslocam para área de Ilinóis, nos EUA, refleti à respeito deste grande animal que se transformou em um símbolo universal de força e fúria. Inspirada talvez, pelo maior ícone da arte contemporânea, a obra “Império”, de Damien Hirst (foto) relacionei o programa da TV paga ao mito cinematográfico do filme ”Tubarão,” de 1975 e sua imagem como referência mundial das cifras no mercado de arte.

Acredita-se que os tubarões existam há mais de 450 milhões de anos e que seu tamanho ultrapassaria outro mito das águas salgadas, o gigante Moby Dick. Predador nato dos oceanos, este grande peixe acabou adquirindo a fama maldosa de vilão dos surfistas e das donzelas desavisadas. Uma outra boa filmografia sobre os trágicos ataques de tubarões é o filme “A Praia”, 1999, com Leonardo Dicapri, na belíssima produção de Andrew Macdonald, onde pseudos-hippies descobrem uma ilha paradisíaca. Nesta ilha, entre enormes rochas, se esconde A Praia, que se parece com um deslumbrande lago esveredeado. Enfim, só após o ataque de um tubarão é que se inicia o doloroso dilema do filme. Não me perguntem porque o tubarão teve uma repercursão muito mais ”positiva” (no desenho animado da Disney, ‘‘Nemo” ele também aparece), quer dizer, como imagem mercadológica, do que por exemplo a ”Anaconda” (hehehehehehe)…
Acredito que o instinto predador do bicho em questão é o que mais se assemelha à nós, pequenos mortais humanos. Sua ânsia pela sobrevivência na imensidão azul reflete a forma violenta com que caça suas presas, além de defender seu território e sua prole. Ao contrário de outro mito marítimo, a Orca desmistificou sua natureza assassina nos concorridos Parques Aquáticos, onde ela é a atração principal… Super fofa!!!
Hirst pode até ter se questionado inúmeras vezes se uma baleia não seria melhor opção para o formol, mas há de se admitir que o impacto de vermos um tubarão tão próximo nos conduza a refletir sobre a nossa própria natureza animal.
É a bizarra sensação de nos sentirmos os maiores predadores do planeta, quiçá do mundo, que identifica em cifras numéricas o quanto somos fortes e poderosos, porque os demais predadores (pelo menos os daqui da Terra) estaram conservados em formol para a posteridade.

salão de arte – Jataí/GO

9º Salão Nacional de Arte de Jataí (GO) A nona edição do Salão Nacional de Arte de Jataí (GO) – 2010 recebe inscrições de artistas de todo território nacinal até 05/04/10. O salão divide R$ 12.000,00 entre três prêmios para produção contemporânea em: desenho, vídeoarte, escultura, gravura, pintura, fotografia, objeto e instalação. 

workshop – MAM/RJ

Caríssimos,

Mando este spanzinho caseiro e peço que repassem a possíveis interessados.

Um abraço e obrigada, Dani Labra

+++++++++++

Workshop de curadoria e crítica de arte no MAM, Rio de Janeiro

Este workshop é uma introdução ao pensamento sobre as práticas da curadoria de arte contemporânea, e pretende discutir temas abordados pela crítica atual tais como identidade, política e globalidade, entre outros, que atravessam as últimas concepções curatoriais. Carga horária de 30 horas e duas visitas a exposições.

Ministrantes:Daniela Labra, Felipe Scovino e Guilherme Bueno

4, 11, 18 de março; 01, 08, 15, 22, 29 abril e 07, 13 maio de 2010, 10-13h

Carga horária de 30 hs e duas visitas a exposições

Valor: 2 parcelas de R$ 300,00

Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro – Cinemateca do MAM
Av. Infante Dom Henrique 85, Parque do Flamengo, Rio de Janeiro – RJ
21-2240-4944 ou atendimento@mamrio.org.br

www.mamrio.org.br

mostra internacional de dança

choque cultural

expo fernando thommen