BLOG

O saber da loucura


“A Humanidade nunca soube muito bem quem são seus loucos. Na sociedade primitiva os loucos eram tratados como Deuses. Na Idade Média eram queimados vivos. Só a partir do séc. XIX surgiram hospícios e os malucos passaram a ser considerados aquilo que realmente são, ‘doidos varridos’.  É neste contexto que surge a figura de Simão Bacamarte, a quem Machado de Assis (1839-1908) chamou de ‘O Alienista’.” (Narração de Marcelo Taz para minissérie na TV, em 1993)

Um pouco extenso para conto, um tanto curto para novela o livro foge dos padrões comuns, o que é literalmente a sua finalidade. Escrito em 1882, a história se passa no interior do Rio de Janeiro interagindo com figuras públicas da época como D.Pedro II, que convida o médico à ocupar a Presidência dos Ministérios, cujo convite é recusado para sua obsessiva dedicação à Ciência. A atmosfera colonialista ganha fervor com a caricatura de cada personagem e suas loucuras pessoais diagnosticadas pelo protagonista, Doutor Bacamarte, que concebe a Casa Verde, um hospício para os habitantes da pequena Itaguaí.

“Muita gente daquela época começou a nutrir uma fé que não havia limites para a Ciência. Mais do que isso, começaram a crer que qualquer ‘coisa’ feita em nome da Ciência deveria ser necessariamente boa. Uma ‘coisa’ que iria levar ao progresso. A história do século XX provou que não foi exatamente assim.”

A conclusão da jovem youtuber Isabella Lubrano, do Canal “Ler antes de Morrer”, é sobre o livro de Machado de Assis, mas poderia ser de um ponto de vista do francês Michel Focault (1926-1984). Célebre filósofo do século XX, Focault criticou a burguesia do estado moderno capitalista incluindo a polícia, o sistema prisional e a psiquiatria. O filósofo angariou a simpatia da elite intelectual francesa, ganhou o reconhecimento de Jean-Paul Sartre e do engajado público universitário ao redor do mundo. Educado em instituições elitizadas, Focault era contra tudo ou quase tudo que vinha de seu pai, um médico bem sucedido da alta classe francesa. Na Universidade, decorou seu quarto com obras de Goya negando, todavia e sempre as intenções de se formar em Medicina como o pai. Aos 22 anos, tenta suicídio e é internado numa clínica psiquiátrica, o que culminou ainda mais em suas pesquisas e rupturas de padrões da sociedade, resultando num desdobramento de idéias e novas perspectivas sobre a Filosofia Contemporânea. Focault escreveu muito, alguns de seus importantes escritos destaco: “A História da Loucura” (1961), “Arqueologia do Saber” (1969) e “Histórias da Sexualidade” (1976).

Contrapondo a sociedade ao sistema capitalista, ele aponta as causas e problematiza cada período, suas peculiaridades, progressos e retrocessos. No século XVIII, por exemplo, a repreensão ao sexo e sua censura negligenciariam mais tarde uma excessiva projeção midiática, transformando o prazer em mercadoria, ciência e tecnologia. Seus profundos estudos confrontaram a Scientia Sexualis (Ciência Sexual), observando com certa nostalgia em culturas como Roma (pinturas e artefatos de Pompéia), Índia (Kama Sutra), China e Japão (Shungas) de onde detectaria uma regra, a Arte Erótica, que vinha mais para entender o sexo do que rotulá-lo, conforme as tradições Orientais. A inconsequente modernidade que pretendia ter progresso científico acabou, em verdade, perdendo a espontaneidade e a imaginação sobre o sexo e seus mistérios. Ainda bem que os escritores, os filósofos e os artistas antecipam estas causas e (d)efeitos em nossa sociedade, assim nos atentamos a dar olhos e ouvidos a quem realmente tem o saber da loucura para um futuro mais saudável!

Ilustra o post obra do artista goiano Pitágoras premiado nacionalmente e selecionado em importantes mostras de arte no País e no estrangeiro, dentre elas “Erótica – Os Sentidos da Arte”, realizada pelo Centro Cultural Banco do Brasil, em São Paulo e no Rio de Janeiro, em 2005.

50969891_938667926521940_7678514262314057728_nPitágoras, intervenção sobre Calendário da Imprensa Oficial, 80 x 60 cm, Governo de São Paulo, 2008.

Desastre ou Des-Arte

O post de hoje se resumirá em registros do meu arquivo pessoal deste maravilhoso Patrimônio Cultural da Humanidade, que é o Instituto Inhotim. Em decorrência do grande “des-arte” ocorrido na barragem da Mina Feijão, em Brumadinho dedicamos nossas esperanças às vítimas deste município, que abriga um espaço mágico de importante coleção de arte contemporânea e arrojado paisagismo, dedicado à pesquisa em botânica e atividades culturais, assim como uma corrente de positividade aos moradores da extensa área atingida pelo derramamento de lama e as pessoas desaparecidas.

Os registros foram realizados entre os anos de 2009, 2012 e 2014 por Gustavo J. de Oliveira Filho. Esperamos ter a oportunidade de ainda fazer muitos outros registros como estes! As últimas informações é de que a área do Instituto não foi atingida e todas as atividades estão paralisadas.

“Somos todos Brumadinho!”

O Tamburil é a arvore nativa do local e símbolo maior do Instituto.

inhotim2

inhotim3

inhotim4

inhotim5

inhotim6

inhotim7

inhotim8

inhotim9

inhotim10

inhotim11

inhotim12

xipofagas-capilares-oti

inhotim1

Miopia

O último “meme” da semana foi a campanha narcisista nas redes sociais em postar o antes e depois de 2009 e 2019. Em minha opinião a postagem mais autêntica, criativa e realista foi a imagem da placa do teste de visão mais ou menos embaçado em 2009 e totalmente míope em 2019. Creio que a Arte Contemporânea, de certa forma, está sendo produzida para demonstrar exatamente isso, o quando estamos ficando míopes. Estabeleceu-se uma miopia coletiva, que até o prêmio Nobel da Literatura Portuguesa, José Saramago (em “Ensaio sobre a cegueira”) já profetizara.  Não há sentido em ter sentido. A moda é não sentir, ou como diria o sociólogo polonês Zygmunt Bauman, “tempos líquidos”.

A Arte Contemporânea explora significativamente este fator crucial da sociedade, o sentimento, mas é pouco compreendida pela maioria, ou pela massa. Há quem visite a mostra “Raíz”, do artista chinês Ai Weiwei, na Oca, no Parque Ibirapuera, em São Paulo e se admire, se inspire ou até se sensibilize com toda a montagem e curadoria da mostra, mas não consiga realmente enxergar a verdadeira mensagem por trás de toda beleza estética da obra. Ai Weiwei nos direciona a olhar com clareza e nitidez a profundidade da natureza humana, expondo seu ponto de vista crítico sobre o modus operandi de sistemas neoliberais, totalitários, o obstinado egocentrismo e a incansável busca do homem pelo poder.

A mostra História Afro-Atlânticas, embora com um recorte temporal de mais de 200 anos de produção artística, teve uma curadoria contemporânea apesentada no MASP e no Instituto Tomie Ohtake e tomou proporções épicas à respeito da investigação da nossa nacionalidade e miscigenação. Integrando inúmeros artistas mundiais, obras e suportes que permeiam o universo primitivo da nossa constituição étnica sendo, por assim dizer, um marco na História da Arte Contemporânea Brasileira foi considerada a melhor exposição do ano de 2018, pelo New York Times.

Não é preciso fazer a escala GYN-SP para termos um embate artístico contemporâneo, quando se tem a mostra apresentada pelo Centro Cultural Oscar Niemeyer “Um corpo no ar pronto pra fazer barulho”. A curadoria com jovens artistas nacionais explora assuntos da contemporaneidade com pouca miopia, muita nitidez, certo sarcasmo e um modesto engajamento sobre temas polêmicos como o racismo, feminilidade, homossexualidade e as causas e efeitos da transgressão urbana como discurso político. Não fosse a “feiura” de algumas obras, a histeria das videoinstalações e um tímido revival da Arte Povera eu diria que a beleza está em enxergar a realidade como ela é, o tal bordão do momento:  “aceita que dói menos”.  A mostra não é colorida, nem tem a leveza estética como a da exposição na Galeria acima, apresentada pelo veterano professor-arquiteto-artista, Taí Hsuan-An. Escadas abaixo se apresenta um choque cultural, um contraste às cores e à singeleza da arte do experiente chinês-goiano, onde a juventude brasileira espalha por toda atmosfera do subsolo do Museu um transe social, associado ao caos urbano da vida contemporânea. Só enxergará esta verdade quem tem sentimentos à flor da pele. Os míopes nada verão! À miopia, só restará o inverno! A mostra fica até 17 de Março, vale conferir!

corpoUma das obras da mostra “Um corpo pronto pra fazer barulho”, no CCON, do Projeto “Trampolim – mergulho para jovens artistas”.

Como os nossos pais

O título, um bordão em nossa sociedade, foi ícone da geração lírica de Belchior, interpretada pela voz apimentadinha da imortal, Elis Regina. Quem não a cantava como hino dos anos 70, pelo menos tinha a dignidade de escutá-la dos amigos! “Como os nossos pais” dos anos 2017, é o filme da diretora Laís Bodansky, que não tem nada ou quase tudo a ver com a canção de Belchior.

O cotidiano de uma mulher de meia idade da classe média paulistana, filha de artistas e em crise com a avalanche de conflitos que o roteiro lhe apresenta é protagonizado pela atriz Maria Ribeiro, a Rosa. Maria Ribeiro é forte, antipática e talentosa, o perfil perfeito para interpretar e se esquivar das adversidades com que a personagem se depara. Ora previsível, com diálogos que remetem aos filmes do sueco Ingmar Bergman, ora surpreendente pela leveza como se conduz a conturbada trama, o filme é feminino e doloroso como um parto normal: dói, mas passa!

Por ter características tão femininas são perceptíveis nas cenas, no figurino e na fotografia, detalhes que denunciam a profissão humanista dos personagens e todo seu entorno. A mãe, intelectual, abriga uma volumosa biblioteca em sua casa, com um jardim muito bem assistido, visto que a variedade de vasos e diversidade de plantas compete com os livros. Nas paredes de sua casa, obras de arte modernistas, discrição e singeleza do bom gosto nos complementos da decoração. Sem se esquecer, é claro, do piano de cauda. No apartamento da amante do pai, uma refinada decoração, com escultura e obras de arte demonstradas em rápidas cenas. (como na foto abaixo: uma xilogravura com fortes referências do trabalho do artista renomado, Antônio Henrique do Amaral)

A fotografia da paisagem de São Paulo é primorosa, apesar das rápidas tomadas, o visual da metrópole é um colírio para os olhos. Para ir de encontro com seus temores, Rosa, a protagonista, viaja à Brasília, onde somos presenteados com toda majestosa arquitetura, a atmosfera de design e glamour político e as curvas faraônicas de Oscar Niemeyer, no Palácio do Planalto.  Rosa é convidada para uma conferência na paradisíaca Ilha Bela, onde enfim, nos sentimos verdadeiramente abençoados pela natureza. O filme valoriza nossa brasilidade sem se render ao americanismo hollywoodiano dos filmes comerciais. O crítico de cinema Bruno Carmelo faz uma reflexão coerente e realista da obra acentuando suas falhas, mas principalmente seus pontos positivos.

Pode-se reclamar, portanto, que parte deste discurso não soa natural, e nem todas as importantes ideias feministas se encaixam tão bem na boca dos personagens. Apesar destas ressalvas, Como Nossos Pais tem consciência de seus objetivos e sua estética, conduzida com precisão notável: nenhum elemento técnico chama mais atenção que o outro, tampouco desperta atenção para si próprio. Este seria um bom exemplo do “cinema do meio” (nem hermético, previsto para um nicho, nem escrachado, previsto para a massa) de que o cinema brasileiro tanto precisa. Se ele puder incitar a uma discussão progressista e despojada sobre o papel da mulher na sociedade, melhor ainda. Enquanto tantos cineastas buscam a maneira mais adequada de fazer cinema contemporâneo, Laís Bodanzsky continua fazendo cinema moderno, e muito bem por sinal”.

como nossos pais

como

 Rosa, Maria Ribeiro. Cena do filme “Como nossos pais”, 2017

As árvores


No dia 1° de Janeiro fui surpreendida com a postagem da editora e curadora de arte, Beta Germano, com textão sobre o panorama da Arte Contemporânea Brasileira e o saldo positivo das mostras de arte no país no ano de 2018. A imagem do post de seu Instagram é da artista ativista Rosana Paulino, que tem um discurso afiado com o feminino africano. Na obra, as costas da mulher se transforma num elo entre os ramos que sobem por sua cabeça e as raízes que descem pelos seus pés. Em pensar sobre as árvores e sua biofisiologia, cabe uma das leis herméticas: “tudo que está acima é como o que está abaixo”. Sua etimologia também está relacionada aos misticismos da natureza e aos fenômenos vibracionais. Do latim, ÁRBOR derivou palavras em línguas românticas como no francês e catalão: ARBRE, no castelhano: ARBOL, no italiano: ALBERO e no galego: ÁRBORE. Na palavra da língua portuguesa, onde a letra “b” do étimo latino está ausente, ÁRVORE tem um tom ainda mais poético e romântico!

As árvores são as maiores responsáveis pela produção de água ou chuva do planeta, além de cuidar para que o clima permaneça agradável, sombreado e com galhos cheios de frutas gostosas para comer. Conta uma antiga história que os Yules, festividades pagãs para o culto ao deus-sol, o solsístico de inverno e Saturno (o deus da colheita) era celebrado através do simbolismo das árvores, de onde vem sua representatividade no Natal. Os pinheiros, árvores muito resistentes ao inverno, saíram vitoriosos na preferência natalina, pois a história desses povos pagãos conta que eram realizados rituais e oferendas aos deuses sob os pés das árvores para trazer prosperidade e fertilidade à Terra.  As árvores eram consideradas o elo entre o Céu e a Terra e guardiãs dos espíritos. Pagãos da Europa cultuavam os Carvalhos, árvores predominantes na região, uma espécie extremamente forte e que chega atingir 40m de altura. A estrela no topo estava associada ao Sol e ao pentagrama. Mais tarde, passou a representar a estrela de Belém com a ascensão os povos ao Cristianismo. De acordo com a tradição cristã a árvore deve ser montada no primeiro domingo do advento, ou seja quatro domingos antes do Natal e ser desmontada no dia de Reis, dia 6 de Janeiro, ou seja, hoje! (Via @sabedoria.transcendental)

Desde 2008 a imagem da árvore é fonte de inspiração para nós. As intervenções da Famiglia Baglione, de São Paulo permaneceram por algum tempo em nossas paredes no salão de exposição e para sempre em nossa memória. Nosso cartão postal de Feliz Festas de Fim de Ano do ano citado foi a imagem do trabalho do artista paulista Felipe Yung. No ano de 2011, o desenho em nanquim da árvore do artista Wés Gama foi o selecionado. Elegemos, para o cartão virtual de 2018, as árvores do artista mineiro, Carlos Cordeiro.

A árvore não é só uma matéria viva estática, pelo contrário, ela se move e se desloca tanto para cima, quanto para baixo, tanto para os lados, quanto sob o vendo, através da polinização dos insetos, no vai e vem das estações do ano, na grandeza e fortaleza com que envelhecem certas espécies permanecendo em pé até mais de 2000 anos. Realmente é um ser vivo impressionante, porque se multiplica através de pequeninas sementes e absorve da terra o que ela tem de melhor a oferecer. Se ela abriga espíritos ou não, isso eu não sei, mas sei que uma sensação muito boa acontece quando a abraçamos! A árvore é verdadeiramente uma obra-prima da Natureza! Abrace, ame, plante!

baglioneFelipe Yung “Flip” e Thaís Beltrame produzindo suas árvores em 2008.

treesDesenhos do artista goiano Wés Gama, 2010 e do artista mineiro Carlos Cordeiro, 2014.

rosana

Obra de Rosana Paulino, 2018, via @betabergamo

2019

2019

Parábolas

Há uma parábola sobre o cacique, como bem me contou minha irmã, que diz assim: “Todo índio sabe que quanto mais ele puxar a flecha para trás mais força, velocidade e distância ela ganhará quando arremessada através do arco”. Assim é também com nosso conhecimento, quanto mais resgatamos nossas raízes, nossos antepassados, nossa história familiar mais rápido descobrimos e alcançamos nossos objetivos.

Acabo de ser presenteada com o livro “A Plumária Indígena Brasileira” (2000), da EDUSP, uma relíquia impressa de cocares e adornos de penas das mais variadas tribos brasileira. Verdadeiras joias tecidas com habilidade, estética e espiritualidade, visto que cada ornamento tem sua especificidade, seja ele para celebração, seja para indicar a casta social ou hierarquia dentro da tribo. Essas joias plumárias são um resgate cultural, onde percebemos algumas diferenças entre adornos produzidos antes da chegada dos europeus e pós-chegada, como a introdução de miçangas e fios de algodão industrializados. Uma das peças mais valorizadas e talvez até hoje a mais instigante da história da plumária indígena, seja a grinalda cobre-nuca da tribo Rikbaktsa, do Mato Grosso, ou a Myhara, um ser perigoso, que empresta o nome à peça. O adorno é usado em importantes celebrações, mas principalmente pelos guerreiros mais corajosos em combate. A mística se inicia na confecção da peça “que deve ser feita por homens maduros (casados, com filhos), os detentores da sabedoria da tradição. A feitura dessa grinalda é cercada de cuidados implicando a manifestação de poderes maléficos associados a ela. Precisa ser confeccionada em tempo curto e as sobras de suas penas terão de ser logo aproveitadas para outro enfeite, caso contrário produtor e familiares tornar-se-ão vítimas de suas forças malignas” (apud livro).

Tão curioso e assustador quanto parece, o uso dessa magnífica joia de penas, para o seu merecedor, é tanto de ônus, quanto de bônus. Uma matéria feita no início do ano 2006, antes do então Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, se reeleger, na ocasião em que foi homenageado e elogiado por suas políticas indigenistas, lhe foi oferecida a vestimenta da grinalda como ato de coragem. Rumores do texto jornalístico tendenciaram o ato do candidato com mau-agouro já que Lula estava concorrendo novamente às eleições, no entanto o que aconteceu posteriormente foi sua avassaladora vitória.

A verdade é que para cada mau-agouro há um bom. Uma antiga parábola chinesa sobre o azar conta a história de um pai e um filho que moravam no alto de uma colina. Um dia apareceu um cavalo e os outros diziam que era sinal de azar. Mas o menino acreditava que era sorte e cresceu a cavalgar com o cavalo. Daí um dia, o menino já rapaz, caiu do cavalo e quebrou a perna. Os outros diziam que era culpa do cavalo e o azar que ele trazia. Mas naquele tempo a China estava em guerra e o exército estava recrutando adolescentes para lutarem contra os inimigos. Como o rapaz estava em convalescênça ele não pôde ir, ao contrário dos filhos dos outros, que foram e não retornaram.

A moral da história é que a sorte ou o azar depende do referencial. O que pode ser bom para ele, pode ser mau para os outros ou vice-versa. Não há muito sentido associar sorte ou azar aos artefatos indígenas, mesmo sendo eles detentores de uma mística que pode ser interpretada positiva ou negativamente. Tudo dependerá do quanto formos capazes de puxar a flecha para trás, afinal a vida é feita de altos e baixos, dias e noites, amor e ódio. Ninguém está imune às intempéries do destino. E assim segue a Humanidade, para frente e sempre!

49242685_316609352397864_3495838473951117312_nGrinalda cobre-nuca, Myhara, da Tribo Rikbaktsa, Mato Grosso, 1986.

Arte e Realidade

Navegar pelo Instagram da editora-curadora Clarissa Schneider é um deleite aos olhos e ao bom gosto. A cuidadosa seleção de imagens e seletivo trabalho de curadoria demonstra seu compromisso com o que há de mais contemporâneo e curioso na cultura e na arte. O registro de imagens realizado na recém-passada ART BASEL MiAMi, a maior feira de arte contemporânea dos EUA, que abriu na sexta (dia 07/12) e terminou no domingo (dia 09/12) é um discurso de Sociologia Humana, uma identificação dos novos clãs que se firmam perante toda a “evolução” (ou não) de nossa espécie. A fotografia dos visitantes, turistas, espectadores, admiradores ou amantes da arte é um misto de exotismo, repulsa e atração.  Não só pelo registro da obra contemporânea em si, mas pelo cenário onde se observa dentre os personagens que o compõe, como esses estereótipos se organizam e se convergem. O  evento e o público são o reflexo da contemporaneidade, de hábitos, conflitos e desafios para as questões do modo de vida atual. A bruta ou bizarra realidade de quem somos, lado a lado das obras da feira concluindo, contudo a filosofia de Nietzche: “a Arte existe para que a realidade não nos destrua”.

Tudo ali é cenário, figurino, personagem. Mas bem da verdade, é tudo isso mesmo que buscamos: uma ilusão, uma atuação, uma ação artística para que a realidade não seja tão chata e antiquada!

Imagens via @clarissaschneiderclarissa hat

clarissa man

clarissa musculacao

clarissa pet shop

clarissa

clarissablue

O tempo não para

As divertidas e curiosas informações do engenheiro especialista em automóveis, Boris Feldman, me pegam desprevenidas quando estou dirigindo sempre que troco de estação de rádio entre uma propaganda e outra. Das mais recentes novidades do “Auto-Papo”, Feldman anunciava a inauguração da primeira concessionária virtual do Brasil da Fiat, em São Paulo, no Pacaembu. A ideia é ‘enxugar’ espaço e produção oferecendo ao cliente uma imersão virtual pelo automóvel através de óculos 3D e simulação do test-drive como num jogo de videogame. O cliente também poderá escolher através de uma tela digital os assessórios, a cor e o modelo do carro. Um verdadeiro passeio virtual como o que vem acontecendo com empreendimentos imobiliários, onde o cliente acessa o imóvel através de óculos 3D que o conduzem ao interior do ambiente na sua escala real.

Tudo isso é bem inovador e tecnologicamente extraordinário dada a rapidez e facilidade como as coisas vem acontecendo. E não para por aí! A Arte como uma boa pré-Ciência da Humanidade não perde sua majestade para nenhuma outra área.

A magnífica exposição do artista austríaco Immersive Gustav Klimt, no Centro Cultural de Artes Virtuais, o L’Atelier des Lumiéres, em Paris, que abriu no início deste ano teve prorrogada sua data de encerramento  até dia 6 de janeiro de 2019 de tão concorrida e extraordinária que é. O espaço fundado em 1835, como uma fábrica de fundição permaneceu em propriedade da mesma família por quatro gerações até a crise de 1929, passando por algumas transformações até finalmente se tornar um ambiente para as Artes Visuais ou Virtuais e seus experimentos imersivos.

A mostra conta com 140 projetores que projetam mais de 3000 animações digitais de até 19m de altura e alta performance sonora com trilhas da época remixadas, o que leva o espectador a admirar cada detalhe das obras e o modus operandi do trabalho artístico do austríaco. As pinturas aparecem e desaparecem sobrepondo umas às outras num filme de imagens coloridas que vão tomando forma até se completarem em escalas significativamente deslumbrantes.

A maravilha que se pode presenciar é a união de um antigo trabalho artesanal produzido no atelier do artista durante anos de dedicação, projetado em constante movimento, som e tecnologia nas enormes paredes do antigo prédio da fábrica francesa, que agora abriga mostras de Arte Virtual.

Fica só uma questão, que Boris Feldman enfatizou ao findar seu “Auto-Papo”: “E o cheirinho de carro novo, como é que faz?” Olha, Boris, eu não sei, mas o cheirinho de tinta também é sedutor, assim como o tato com um livro ou o paladar numa degustação. Mas não podemos negar que a tecnologia veio para ficar e as instituições terão de se reinventar para prender cada vez mais a atenção do espectador. Assim como aconteceu com a ruptura do desenho de observação com o advento da fotografia e seus desdobramentos com os vídeos-performances, a arte cinética e o cinema. A tecnologia também terá de se reinventar para aguçar os nossos cinco sentidos. Afinal, como a Arte é uma pré-Ciência, já dizia o poeta Cazuza: “Eu vejo o futuro repetir o passado. Eu vejo um Museu de grandes novidades. O tempo não para, não para”.

47682515_287521882106318_5175402215489142784_nOs clássicos “Beijos” numa divertida montagem. Via @failunfailunmefailun

Entrar ou não na toca

A vida imita a arte ou a arte imita a vida? Esta é a pergunta que não quer calar!

Em 2000, o artista brasileiro Eduardo Kac, professor de arte e tecnologia, na Califórnia criou um projeto de bioarte desenvolvendo sua pesquisa a partir do experimento de células que brilham nas medusas marítimas, introduzidas numa coelha que ele denominou de Alba, doada para fins laboratoriais pelo departamento científico francês.  O experimento teve como resultado a fluorescência da pele da coelha, quando submetida a raios ultravioletas. A associação de defesa aos animais e o departamento francês reagiram com críticas e restrições ao projeto do artista alegando danos à saúde do animal e interpelando pela devolução da cobaia à instituição responsável, a qual o artista alegaria cuidar do bichinho com todos os critérios necessários, como se fosse seu pet. Mas de nada adiantou o argumento, Kac teve de devolver o animal.

E então, até quando a Arte é Ciência e a Ciência é Arte? A experiência abriu margem para estudos e questionamentos do quanto e como o homem pode interferir na natureza.

Uma recente polêmica aconteceu na China, com o experimento do médico He Jiankui, que alegou ter criado bebês geneticamente modificados alterando genes embrionários das gêmeas nascidas na última semana do mês de novembro.  A ideia seria prevenir ou combater a contaminação do vírus HIV, alterando o código genético das bebês antes do nascimento . O experimento também causou ácidas críticas no que diz respeito à ética e a segurança, mesmo porque não houve uma consulta prévia sobre esta experimentação ao Conselho de Medicina.

Mas afinal, até quando o homem pode interferir na natureza sem que haja graves consequências?

O experimento do artista brasileiro com a coelha Alba nos leva a reflexão da literatura épica de Lewis Carroll, seguir o coelho, entrar ou não na toca, eis a questão. Uma escolha desafiadora e ao mesmo tempo tenebrosa. Quem tem coragem de enfrentar o mundo maravilhoso da curiosidade tem de estar disposto a superar suas consequências, sejam elas para crescer excessivamente, ou diminuir absurdamente.

No entanto sabemos que só quem prova do veneno, pode manipular seu antídoto. E assim segue a Humanidade!

albagreen

Eduardo Kac, 2000, Bioarte, “Alba”