BLOG

Tell lies vision

Há tempos não acompanho noticiários, novelas, séries de Netflix ou programas sensacionalistas da TV. Há tempos mesmo! Aboli os programas de televisão há anos! Embora me sinta um pouco escrava das redes sociais, não há muito o que me impressione nas imagens, fofocas ou correntes de grupos de whatsapp. É impressionante o quanto a mentira corre rápida e a verdade é demoradamente aceita. Foi por causa de um noticiário compartilhado nas redes sociais que resolvi desabafar.

Foi publicado no dia 26/06/2017 no Jornal da GloboNews a reportagem sobre a mostra Attenzione Fragile, do aclamado artista goiano Siron Franco. As imagens da exposição realizada em Roma foram feitas pelo próprio artista e encaminhadas ao programa. A mostra, em comemoração aos seus 70 anos tem previsão de abertura na Espanha, Inglaterra e Estados Unidos, segundo a jornalista Elisabeth Pacheco. Pacheco se encarrega também de chamar a atenção das Galerias de Arte e Museus do nosso país para que acolham a “impactante” mostra. O jornalista Sérgio Aguiar apoia a “bronca” da colega e rebate: “ É o que volta e meia a gente fala, artista valorizado lá fora e aqui ainda nada definido…”

Segue link da reportagem: Attenzione Fragile

Caros, queridos, amadíssimos jornalistas da Rede Globo, ainda bem que faz tempo que eu não perco meu tempo escutando vocês. Era numa situação como essa que a verdade deveria ser dita. A valorização do artista nacional é feita pelas instituições estrangeiras porque o nosso sistema é antipatriótico. Uma população que se instrui através da televisão não tem a capacidade de discernimento e pensamento autônomo. Já está comprovado cientificamente que a propensão do ser humano ter mais doenças mentais como Alzheimer e Parkinson é maior nos que assistem mais televisão, isto é, a televisão é extremamente nociva, principalmente quando está tendenciosa a interesses individualistas.

urbanatioberlin

Via@urbannationberlin/

Certa vez li um artigo do médico Dráuzio Varela que citava os efeitos corrosivos da televisão na mente de pacientes. Mas não se preocupem há cura. O remédio mais acertado para desintoxicação televisiva se chama livro. Mas cuidado, hein. Preserve seu tempo e dedique se a uma leitura que beneficie sua vida. Comece com poesias, depois com romances, quem sabe ficção, daí sim, leia algo científico, algo sobre história ou psicologia, mas seja nacionalista. Leia escritores brasileiros também. Temos um gênio, um imortal, um grande cientista da cultura brasileira, o baiano João Ubaldo Ribeiro.

Desculpem, estou sendo tendenciosa, mas meu nacionalismo não me deixa mentir, eu amo o Brasil, amo os artistas e as instituições culturais brasileiras, não trocaria nenhuma das minhas três viagens à Inhotim por um passeio na Disneylândia. Não critico quem faria esta troca e também não critico nem culpo as instituições culturais ou o sistema de ensino brasileiro (que, aliás, até hoje não sei muito bem se ele existe). Fica daí a responsabilidade das grandes formadoras de opinião, que se estendem via satélite para o mundo (ou para eles mesmos). Acorda, Brasil!

arua fala

Via @arua_fala

A rapadura é doce, mas não é mole

“Na Europa o açúcar obtido da beterraba era um produto raríssimo e caro. Era uma especiaria vendida na maioria das vezes na farmácia e usada principalmente pelos nobres. De tão valiosa esse açúcar era deixado como herança.” (Editora Cânone)

Em 1996, estive com minha irmã, na 23ª Bienal Internacional de Arte de São Paulo, no Parque Ibirapuera, que tinha como tema a desmaterialização da arte no fim do milênio.

20841586_10211140499761080_538563584_o

Uma das obras que mais me chamou atenção depois das gigantescas esculturas de Anish Kaapor, no primeiro pavilhão e as impressionantes intervenções de Sol Lewil nas paredes do último pavilhão, foi uma obra, no segundo pavilhão, de engenhosa plasticidade, cujo o nome do artista infelizmente não me recordo (quem souber, me refresque a memória, por favor!). Ele absorveu o tema com maestria e propôs uma sutil crítica à globalização.

O artista executou centenas de caixas estreitas de acrílico e as preencheu com açúcar. Na superfície de cada caixa ele coloriu o desenho da bandeira de cada país. Em cada um dos quatro lados laterais da caixa continha um orifício onde se interligavam através de pedaços de pequeninas mangueiras transparentes, “pontes” que eram como passagens de uma caixa para outra. Dentro das caixas eram periodicamente colocadas formigas que tinham como principal objetivo a desmaterialização da arte, isto é a destruição dos desenhos das bandeiras de açúcar no seu tramitar, através das “pontes”, de uma caixa para outra.

A relação desta obra de arte com os dias atuais, mais de 20 anos de distanciamento temporal é a de que o nosso foco ainda continua o mesmo. Somos uma sociedade autodestrutiva e prezamos pelo acúmulo de bens. A História do Brasil não me deixa mentir, desde a crise da cana-de-açúcar no século XVIII à atual polêmica a respeito das grandes lavouras e seus impactos ambientais. Somos fadados a compactuar com o sistema e a máquina do Estado.

Se o açúcar fosse ainda uma especiaria de luxo, o consumiríamos com mais cautela, o que não acontece quando abarrotamos o mercado com coisas que não precisamos comer ou consumir. A citação do primeiro parágrafo é parte do conteúdo do livro didático de História direcionado ao 4° ano do Ensino Fundamental. O destaque do tema da cana-de-açúcar como moeda corrente da época, assim como o é hoje, mas com mais efeitos colaterais na natureza e na nossa saúde é ainda muito pertinente.  Quem dera que os sacos de açúcar, pacotinhos de doces ou embalagens de balinhas pudessem conter aqueles avisos como os dos maços de cigarro e das propagandas de bebidas:

“O Ministério da Saúde adverte: consuma o Açúcar com moderação.”

A rapadura é doce, mas num é mole não!

Da Favela do Vidigal à Estética Militar

A jornalista e editora da Revista Bamboo, Clarissa Schneider assina curadoria da Mostra DNA Artefacto, uma estética amorosa que acontece na próxima segunda-feira dia 07/08. Com seletos nomes do design brasileiro a mostra terá parte da renda arrecadada destinada à Escola Vidigal, um projeto idealizado pelo artista e fotógrafo Vik Muniz. Clarissa postou um vídeo em seu instagram de uma das atividades promovidas pelo projeto que visa o ensino de arte e tecnologia para crianças entre 5 a 8 anos da Favela do Vidigal. A aula registrada foi de uma roda de capoeira onde as crianças aprendem a musicalidade, senso de cooperativismo, coordenação motora e história do Brasil.

Para mim foi uma surpresa assistir ao vídeo e testemunhar a elite da estética brasileira se mobilizar e direcionar holofotes à cultura popular. O idealizador Vik Muniz presenciava as acrobacias das crianças e também escutava ao vivo o som do berimbau isso tudo com uma vista privilegiada do mar. “Só faltou a máquina fotográfica para eternizar esse momento e postar no seu instagram, né Vik!?”

20632574_10211090147102295_1946479081_n

Vik Muniz na entrada da Escola Vidigal observando a roda de capoeira

Link do vídeo: https://www.instagram.com/p/BXYiEP7jVmt/?taken-by=clarissaschneider

No livro de Gilberto Freyre, Ordem e Progresso, o sociólogo pernambucano faz referência ao escritor português Ramalho Ortigão que foi professor de Eça de Queiroz e personalidade distinta da classe filosófica erudita da época. Ortigão observou a decadência do Império em contrapartida no que deveria ter sido a transformação política brasileira para a República e relata em 1890, na Revista de Portugal, “O quadro social da revolução brasileira”. Num belíssimo trecho sobre as observações de Ortigão, Freyre identifica com sensibilidade as alternativas políticas acerca da estética militar:

“Semelhante organização é evidente que teria sido alcançada de modo efetivo, durante reinado tão longo como foi o de Pedro II, se, em vez de ter se extremado, como se extremou, em rei acadêmico, o chefe de Estado tivesse se apoiado sobre um exército, como o imaginado pelo escritor português: disciplinado, aguerrido e brilhante; sobretudo capaz de ser um fator considerável na educação nacional, um foco de aperfeiçoamento físico, de destreza e de força, uma escola prática de disciplina e de respeito… Inclusive, através de uma capoeiragem estilizada em exercício militar.”

Bem issae! Salve, camaradas! A capoeira salva!

365_1capoeira_cypriano_022

Foto de André Cypriano na Favela da Rocinha

Sobre Homens e Gorilas

Recentemente revi ao filme Nas Montanhas dos Gorilas, de 1989, com a talentosa Sigourney Weaver que interpreta a zoóloga norte-americana Dian Fossey. Fossey dedicou anos na pesquisa e convivência com os gorilas da África utilizando todos os meios possíveis para protegê-los. Sua luta se tornou uma paixão tão obsessiva que seus discursos e atitudes começarem a preocupar os caçadores e elementos corruptos do exército de Ruanda. Ela foi terrivelmente assassinada e ninguém nunca achou o autor do crime. As imagens do filme, até hoje atuais, nos levam a crer que embora os animais em extinção se diversifiquem em muitas outras lutas sociais e filantropias, a favor até mesmo da Floresta Amazônica ou o degelo dos Polos, temos muito ainda por fazer pela natureza, mas principalmente pela nossa própria sobrevivência em harmonia com ela.

A-atmosfera-do-evento-602x600

Imagem do evento promovido pela Fundação DiCaprio, em Saint Tropez, França (2017).

Certamente nossos filhos não desbravarão a Chapada dos Veadeiros como nós fizemos há 20 anos, ou numa visita à Machu Picchu, onde poderíamos divagar sobre sua paisagem sem tempo contado de estadia! O mundo mudou, nós crescemos e paramos de morrer tão cedo. E a natureza? Alguém perguntou como ela está? Os cientistas e os artistas conversam com ela, denunciam, descrevem, desenham, pintam, fotografam e tentam incessantemente conscientizar uma sociedade cega a enxergar os problemas gritantes desta relação parasita entre seres humanos e os outros seres vivos.  Somos predadores natos, carnívoros, mamíferos, mas principalmente, seres pensantes. Hoje li nas redes sociais esse lindo pensamento: “A violência não é força, mas fraqueza, nem nunca poderá ser criadora de coisa alguma, apenas destruidora.” (Benedetto Croce)

Sigourney Weaver interpretou a zoóloga com a força e convicção de sua personagem protagonista de Alien. A paixão, a garra, a raiva e o instinto animal da atmosfera da mata e a selvageria do nativo é o ponto crucial da saga ao indomável, imensurável e inacreditável comportamento humano. Existe um limite de atitude que impera entre a ética e os bons costumes. Enxergar a linha que separa o exagero, a insensatez e os maus hábitos é dever de todo cidadão. Somos homens ou ratos? Até quando vamos nos alimentar de água preta gaseificada ou restos de pseudo alimentos em latas com data de validade? Até quando financiaremos heróis estrangeiros ao invés de inventarmos os nossos ou acreditarmos em líderes culturais nacionais? Até quando procuraremos o belo ao invés de enxergarmos ele dentro de nós mesmos?

O ator norte-americano e ativista ambiental, Leonardo Di Caprio foi anfitrião no evento beneficente, na última quarta-feira (27/07) que arrecadou mais de 30 milhões de dólares para causas e incentivos em energia limpa no mundo e projetos para Fundação DiCaprio. O evento foi realizado em Saint Tropez, na França e várias celebridades brasileiras compareceram, além de um show surpresa da pop-star Madonna e a presença de sua parceira do Titanic, Kate Winslet. Se esta verba realmente for revertida para os fins propostos este evento foi louvável, altruísta e esperançoso!

Resta esperar com cautela e muita consciência a resposta da natureza quanto às nossas ações. Pois, ela é o verdadeiro Deus que a ciência também não explica. Ela, não ele! Ela quem gera, concebe e amamenta! A Mãe Natureza, Senhora de todas as coisas, Deusa da vida e da morte. A Rainha das transformações. Salve, Ela! Salve a Natureza!

Imagens dos artistas, respectivamente: desenho do mineiro Carlos Cordeiro, fotografias da carioca Cristina Oldemburg e do paulista Flavio Samelo e pinturas do goiano Pitágoras e do baiano Rubens Ianelli.

carlos-cordeiro-42x30cm

????????????????????????????????????

flavio samelo

pitagoras-12

 

rubens

Bertholletia excelsa

Certa vez um obstinado avô decidiu plantar uma Bertholletia excelsa, ou a famosa castanha-do-pará. O jovem sobrinho indignado perguntou, “O senhor acha que dá tempo pra ver nascer alguma castanha, vô?” O avô respondeu: “Se eu não for usufruir, outros  irão. Eu não estou plantando para mim, mas para as próximas gerações.”

Há um imediatismo em relação aos nossos resultados  que esquecemos de pensa-los à longo prazo. Como nalguns causos e histórias de pessoas que compraram lotes ou obras de arte, joias ou até mesmo qualquer artefato para um hábito de colecionismo e após algum tempo obtiveram êxito na sua valorização.

Só nos esquecemos de pensar à longo prazo quando acreditamos num conto à primeira vista. É à longo prazo que as ideias e os frutos  amadurecem e quando prontos são absolvidas pela sociedade. É assim com a Bertholletia e com os grandes artistas, que tantas vezes morrem na miséria e depois são supervalorizados pelo mercado que os menosprezou.

As ideias vanguardistas estão para um seleto grupo de pessoas que compreendem a origem das manifestações culturais e é capaz de reverberar a história delas à várias outras gerações.  Mas sem dúvida é complexo admitir que um pedaço de papel desenhado possa ser uma apólice de previdência. Você vai me dizer que talvez um agropecuário seja mais visionário e saiba investir melhor nos negócios, eu diria que para os veganos, esse ponto de vista seria bem diferente.

Pensar dentro deste seleto grupo de pessoas não está no entendimento de muitos sobrinhos. Mas com certeza existem exceções que de uma forma ou outra pensam nas próximas gerações. Resta só distinguir se este é um sentimento imediatista ou existe uma preocupação com o futuro, não só de uma geração onde impera o nepotismo, mas para o coletivo em geral, pois que uma castanheira consegue alimentar mais que uma família! Quem planta, colhe!

Obra do acervo do MASP em mostra no CCBB-DF, do artista holandês Vincent Van Gogh, que morreu na miséria.

20353823_10210979695061063_906775164_o

What if?

Depois de ver a foto do fenômeno pop star, Beyoncé com seus gêmeos no colo, posando como uma santa negra num altar repleto de flores campestres com visual sereno e cores vivas fui subitamente remetida à imagem de nossa Padroeira ou a Santa do Rosário dos Pretos ou mesmo orixá Ogum. A imagem sacralizada através dos filhos de apenas um mês, dormindo em seus braços reforçou essa significação, ainda mais envolta num manto violeta, não deixando desejar a quaisquer imagens de santas brancas representadas pela Igreja Católica e seus altares intocáveis.

 

beyonce2

 

Há uma crença no ideal estético europeu ainda muito presente nas sociedades. Uma prova disso foi a “brincadeira” que rendeu marketing e louros ao designer/arquiteto/artista Henrique Steyer, em 2012. Mediante uma experiência num resort na República Dominicana, Steyer se deparou com uma pergunta fugaz que levanta questões polêmicas e éticas. Em parceria a Felipe Rijo eles manipularam retratos de celebridades públicas com cor de pele branca e as transformaram em negras, ele denominou a série What if? E se todos fossem negros? A resposta é o espectador quem vai dar, mas depois de observar os retratos da Rainha Elizabeth, Marlin Monroe, Ayrton Sena, Hittler, o Papa, Carmem Miranda. Assim como eu, Steyer é tiete da pop star hors concours, Madonna, em quem ele se espelha e se inspira. Madonna, que sempre polemizou, causou um frisson em 1989 com o videoclipe Like a Prayer, quando apareceu beijando os pés de um santo negro.

 

steyer

 

Quem também polemizou foi o rapper brasileiro, MV Bill que pôs o dedo na ferida tupiniquim, em 2002. Ele compôs a canção Só Deus pode me julgar, com refrãos pertinentes sobre o racismo e o preconceito, como este em que ele canta uma questão tão relevante quanto à de Steyer:

“Pra quê, por quê?/ Só tem paquita loira/Aqui não tem preta como apresentadora.”

Foi por causa dos escravos que o culto a Nossa Senhora Aparecida ganhou adeptos e com o passar do tempo ela se tornou oficialmente a padroeira do país. Ela é o símbolo da base formadora da cultura brasileira e mais ainda, a étnica. A negritude da cantora estadunidense e as insistentes tentativas em sacralizar sua imagem desde o início de sua gravidez são notórias.  Diferentemente da mídia apelativa das concorrentes, Beyoncé posa como ícone canonizado da cultura contemporânea e inspira uma geração de mulheres, mães, negras ou esposas. Ela atinge o objetivo visual quando o transforma em espiritual, em familiar, em fértil, em sublime!

Pode parecer clichê e até um ato de contradição minha reverenciar uma pop star norte-americana. De fato ela ou os norte-americanos conseguiram criar um fenômeno midiático de alta produção, porém dentro de uma ideologia contagiante. Ela expira o feminismo na medida exata e reflete o consumo como um ato corriqueiro, excêntrico e sagrado.

What if wouldn’t we racist?

 

 

Você tem fome de quê?

Há um antigo ditado que diz: “o segredo é não correr atrás das borboletas, mas sim cuidar de seu jardim”. Cuidar do jardim não é um trabalho muito simples, afinal existem alguns muitos empecilhos para o seu florescer como as pragas, as formigas, o excesso de água ou sol, a escolha do adubo e claro, o cuidado diário e permanente. Falando assim, exemplificarei minha metáfora a respeito da visita das borboletas.

Fundado em 2006, o Centro Cultural Oscar Niemeyer CCON é um grande e complexo “jardim de concreto” para a nossa Capital. Apesar das críticas e escândalos financeiros o empreendimento é um poderoso agulhão vermelho plantado em terras goianas.

marilio

imagem via @marciliolemos

Estive presente numa das primeiras mostras no prédio destinado ao MAC, Museu de Arte Contemporânea, do fabuloso artista mineiro Farnese de Andrade.  O Museu também recebeu a mostra de desenhos do famosíssimo artista espanhol, Pablo Picasso quando, pela primeira vez na história da arte goiana houve filas para se visitar uma mostra, tamanha a necessidade de “cultura polida” de um público que é regado à Pecuária e Villa Mix.

Dentre outras tantas mostras que visitei como a Rumos Itaú, tive o prazer de participar da palestra da dama da intelectualidade das artes plásticas brasileira, Aracy Amaral, no prédio Monumento dos Direitos Humanos, onde também foram realizados os interessantíssimos Cafés Filosóficos, com palestrantes da alta estirpe intelectual.

Mas a odisseia do CCON só estava começando. Entre tropeços e arranhões mal arrumados, houve reformas, recessos, críticas e mais fofocas. Embora os fuxicos negativos sejam sempre mais bem-vindos, o CCON sempre foi alvo dos mais badalados eventos culturais da cidade. Um deles é o Festival de Rock Bananada, que gerou outra grande polêmica entorno de uma intervenção num dos prédios do complexo da Esplanada da Cultura. Caprichos ou mal entendidos da organização do evento, eis que uma “maquiagem” é feita para se ir a uma festa e, logo após o seu fim, é desfeita. Ponto Final.

No prédio do Palácio da Música, destaco o evento EARQ, Encontro de Arquitetura e Design que tem como principal objetivo a troca de informações de consagrados arquitetos e designers com o público interessado. Dentre algumas personalidades estavam Irmãos Campana, Leo Romano, Guto Requena, Maurício Arruda e Camila Klein.

No entanto, em minha opinião, a “borboleta” mais encantadora que pousou no nosso “jardim de concreto” foi a mostra “Nos Caminhos Afro – fotografias de Pierre Fatumbi Verger”. Uma belíssima curadoria e material visual com textos informativos que elucidam a história da humanidade entrelaçada à formação da cultura brasileira. O impressionante acervo fotográfico é uma viagem ao tempo e à nossa árvore genealógica. A mostra incluía uma sala de vídeo com imagens em ordem cronológica e trilha sonora ora africana ora brasileira, requintada ao batuque do samba, capoeira, frêvo e afoxé.

 

verger2

 

Foi maravilhoso visitar uma mostra rara dessas e mais ainda revisitá-la com meus filhos. Poder influenciar uma geração ao hábito de ver, entender e curtir a arte em todos os seus sentidos é humanizar corações engessados pela tecnologia e shopping centers. Faço votos que nosso “jardim de concreto” ainda proporcione muitos pousos de raras borboletas, para que o público goiano veja as cores, os sabores e saberes da verdadeira cultura que alimenta e nutre e diferenciá-la de um fast-food que engorda e adoece! Você tem fome de quê?

Digna Boa Alma

A primeira vez que a vi foi numa vernissage na galeria, não me lembro de quem… só lembro dela! Éramos adolescentes, eu um pouco mais velha, ela um tanto mais bela! Nem pequena, nem grande. Proporcional em tudo, exceto nos longos fios de cabelos negros que contornavam seus ombros e desciam até quase chegarem nos quadris. Pensei: “Iracema, de José de Alencar ganhou vida e encarnou nessa chinesa nascida no Brasil.”

Filha de Lee Chen Chen e Tai Hsuan-na, Lian Tai é uma artista multifacetada. Ela posa, mas não é modelo, ela escreve, mas não é poetisa, ela atua, mas não é atriz, ela viaja, mas não é turista. Ou é tudo ao mesmo tempo! Lian é um personagem de uma história a ser contada. Um estereótipo de beleza exótica, mas de uma simplicidade tão natural de ser que já é familiar!

Voltei a pensar comigo observando aquela cena, ela ali, no centro da Galeria com aquelas madeixas negras, aquela roupa meio hippie, meio hare krishina, meio ela: “nossos caminhos ão de se cruzar”.

Muitos anos se passaram desde então e deixáramos a puberdade para o passado. Eu havia produzido um colar de penas de arara e fio de prata imaginando que índia o usaria. Nunca havíamos sido apresentadas, apesar de nossos pais se conhecerem. Com a cara e coragem lhe enviei uma mensagem através das redes sociais e ela atenciosamente me atendeu. Nem acreditava que pudesse acontecer dessa forma, mas após um ano ela veio a mim e  fizemos nosso primeiro ensaio fotográfico com a fotógrafa Eliane de Castro.

editorial

 

Fomos nos reencontrar novamente ano passado, quando por acaso vi uma imagem sua com meus brincos no jornal, cuja seleção de fotos o editorial escolheu, dentre outras que Lian havia enviado para a matéria. Tratava-se de uma entrevista com a autora do livro “Crônicas de Varanasi”. Fique feliz em revê-la e mais ainda em ler suas crônicas.

 

cronicas

 

Na última feira literária da escola de meu filho encontrei com a artista plástica Rossanna Jardim, que divulgava o livro, em parceria à Amir R. Hamú, “Histórias de Ternura”. Nele há uma terna história do pai de Lian, intitulado “Minha Mãe”, onde ele caracteriza Lian como sendo uma digna boa alma, assim como sua avó. O que mais eu poderia dizer sobre ela que seu próprio pai já não disse, escreveu ou publicou?

Lian esteve em Goiânia este ano e para minha felicidade ela aceitou mais uma vez em posar para mim. Mas Lian não só posa, ela encara a situação, ela se prõe ao desafio, ela acredita na causa e não foge à luta! De chinesa à índia, de índia à diva brasileira, de diva à sereia…

19457573_10210658766118040_1809325528_o

 

“Ai de mim, querida Lian, ter ainda muita criatividade para te vestir muitos colares, brincos, anéis… Saibas que tua generosidade é tão grande quanto tua beleza e tanto mais é admirável a sua naturalidade!”

Que nossos encontros sejam mais que curtos períodos de trabalho, mas longas conversas sobre a vida, a arte e a humanidade. Um brinde aos cafés tomados com pessoas de digna boa alma!

Namastê!

Um certo inseto

vilegas

Segundo fontes de pesquisas científicas no ramo da biologia são descobertas por ano cerca de 15.000 espécies como bactérias, vírus, vermes, insetos, répteis, anfíbios e mamíferos. “Desde que a primeira lista foi lançada, em 2008, já se descobriu e batizou mais de 200 mil espécies”, como informa o site www.observador.pt. O que me chamou a atenção e me inspirou a escrever este texto foi a imagem publicada pela joalheira mexicana, Daniela Villegas de uma possível espécie de besouro colorida, cujo título da postagem era “unknown”. Você pode até duvidar que ela seja verdadeira, afinal tantos fakes pela mídia a fora, mas não posso negar que a imagem reavivou em mim umas antigas histórias que agora vou contar…

Uma delas foi a primeira vez que me deparei com o livro Barroco de Lírios (1997), de Tunga, editado pela Cosac & Naify, o qual já fiz referência há tempos atrás e seleciona uma parte muito interessante do seu trabalho cuidadosamente diagramada, quase pretendendo ser um livro objeto. Um dos capítulos está dedicado à obra Besouros Tesouros, cuja pesquisa científica do artista é provocar o espectador entre o limite da realidade e o fake. Ele descreve sua viagem ao Norte do país em busca de aromas brasileiros. Conta sobre sua visita à entomóloga Terezinha, que lhe apresenta a espécime Scarabacus Tucurui Sagrado, “que são coleópteros de extrema beleza na forma e, sobretudo na cintilância cromática”, Tunga continua:

“Há, contudo algo horripilante no fascínio que exercem. Conhecê-los melhor é iluminar o escabroso. São extremamente hábeis e persistentes. A habilidade constitui-se na formação de geóides imensos, em relação às suas minúsculas dimensões. Persistentes na peregrinação obstinada que os leva ao “menu” predileto. Tal predileção nos revela o dito escabroso de seus hábitos. Os escaravelhos desta espécie são necrófilos e coprófilos.”

A pesquisa do artista finda em estimular os escabrosos insetinhos na formação de grandes geóides de excrementos para obter enfim, a plástica visual de sua obra. Conhecidos vulgarmente como “rola bosta”, os três besouros capturados produzem o tão procurado, mas nem tanto agradável aroma.

 

besouro tesouros

 

Bizarrices à parte, o besouro se integra num imaginário fantástico em várias culturas, principalmente na japonesa, onde ele é criado como bicho de estimação. Existem até clínicas veterinárias especializadas em vender ração e primeiros cuidados para estes tesourinhos da natureza. São venerados como seres sagrados e vendidos a pequenas fortunas, por serem raros e espetacularmente bizarros.  Também comentei sobre o filme KUBO, com produção da Laika, em texto passado, onde um dos personagens, que foi drasticamente amaldiçoado e transformado num besouro guerreiro, tem como insígnia o desenho do inseto no kimono e nas bandeiras levantadas a redor do templo e do tatame.

Bem, mas a história do besouro não fica só lá pelas ilhas do outro lado mundo, aqui no Brasil a lenda virou mitologia nacional. Manoel Henrique Pereira foi um exímio capoeirista baiano que nasceu na passagem do século XIX para o XX, em meio à abolição da escravatura e a República. Sua vida é rodeada de mistérios e histórias mirabolantes, sobre um super humano, capaz quase de voar e desaparecer. Daí o apelido, Besouro Mangangá, além de sua resistência e o mito do “corpo fechado” a balas e punhais. A lenda do capoeirista se faz mais lúdica ao se saber como morreu, pois protegido pelos orixás só uma faca de tucum (madeira com veneno próprio) poderia fatalmente lhe ferir. O misticismo e o culto afro-brasileiro elevaram o personagem a protagonista do filme de João Daniel Tikhomiroff, Besouro (2009), também baseado nos livros de Antonio Liberc Cardoso Simões Pires: “Bimba, Pastinha e Besouro de Mangangá – Três personagens da capoeira baiana” e “A capoeira na Bahia de Todos os Santos – Um estudo sobre cultura e classes trabalhadoras (1890-1937)”.

 

besouro-poster

 

Mito ou lenda, verdade ou realidade é certo que o inseto tem suas particularidades até no nome.  A palavra Coleoptera vem do grego κολεός, koleos (estojo) e πτερόν, pteron (asas), como uma referência a uma importante característica dos besouros: um par de asas anteriores rígidas, conhecidas como élitros, que protegem como um “estojo” as asas posteriores, que são membranosas e delicadas. O nome besouro por sua vez provém do castelhano abejouro por intermédio do português antigo “abesouro”, aumentativo de abeja (abelha). (via Wikipédia)

Só a ciência para explicar a pergunta que não quer calar:

Como um estojo! Ops… um besouro consegue voar?

O maravilhoso mundo das mulheres de Pitágoras

Entre uma e outra trocada de estação de rádio dentro do carro, escuto o bate-papo de jornalistas sobre o novo filme da Warner Bros, Wonder Woman. O comentário vem de uma voz feminina que acabara de vir do cinema e está deslumbrada com a ideologia e perspectiva feminista que o filme abrange. Ela cita o diálogo da protagonista como se fosse um troféu a todas as mulheres! No entanto, não tarda para que um comentário malicioso, de um de seus colegas de trabalho fosse destilado aos ouvintes: “Nossa, quer dizer que por causa de uma ‘heroína’ os outros super-heróis podem ser ‘enterrados’? É isso que você está dizendo? Que uma mulher é melhor que todos os ‘Vingadores’?” _ “Sim!”, ela respondeu.

É certo que o cinema norte-americano, há tempos, anda puxando sardinha para o gênero mais afeminado. Desde as princesinhas da Disney, que escolhem seu príncipe ou decidem se por não escolherem, como a Elza, de Frozen, Mérida, de Valente ou a havaiana autoconfiante, Moana até a nova esperança de Logan, dos mutantes X-Men, Laura Kinney, uma jovem e poderosa pré-adolescente.

(Vocês devem estar pensando que eu sou uma cinéfila “incurável”, mas eu gosto mesmo é das artes plásticas brasileira).

O tema das Mulheres Maravilhosas não foi por acaso. As obras do artista Pitágoras com a temática da personagem acabaram de desembarcar na capital goiana após uma longa estadia em importantes instituições culturais do país. Pitágoras já se adiantou em multiplicar as imagens da heroína mor das HQ’s, desde 2008/2009. Há princípio foram intervenções capciosas em anúncios publicitários que sempre continham imagens de modelos em poses, caras e bocas que o artista se encarregava de caricaturar. Mas Pitágoras também consegue torna-las atraentes ou sensuais destacando “seus olhos de ressaca” ou as caracterizando como Mulheres Maravilhas em pinturas ou intervenções, algumas até meio ser humano meio robô.

 

19022409_10210543801323992_539283978_o

 

Essa é sempre sua principal proposta. Um futuro robótico como os das ficções científicas ou aterrorizante como a vida em Gotthan City. A realidade de Pitágoras é cruel e protagoniza um registro da sociedade que talvez ainda não tenha sido feito, pelo menos dentro deste ponto de vista. Ele enfatiza a verdade suburbana da sociedade brasileira como uma sátira teatral, em historinhas de seres estranhos, supostamente possíveis, mascarados, maquiados ou fantasiados. É realmente tentadora e convidativa a vida suburbana, quem sabe até um pouco mais que a do high society, no entanto as obras do artista goiano são um choque da realidade. Elas fazem questão de denunciar a natureza animalesca do ser humano, as luxúrias da carne e os prazeres profanos do corpo.

Só mesmo Pitágoras para inventar uma nova perspectiva pictórica para a Mulher Maravilha!

Só mesmo desvendando suas obras para percebermos as dores e as delícias de ser humano, suburbano, imperfeito e “incurável”!

Só mesmo nas HQ’s para existir super-heróis, super-heroínas e super finais felizes!

Porque no maravilhoso mundo das mulheres de Pitágoras os super humanos podem existir, mas como homens transvestidos de heroína.

 

mulher